Graça e Paz! Seja Bem Vindo!

Graça e Paz! Seja Bem Vindo
Loading...

Fazer login

Paginas

18 agosto, 2010

A Igreja - Noiva de Cristo2 - Romeu Bornelli

FUNDAMENTOS DA NOSSA CONFISSÃO


Romeu Bornelli



Fita 37

A Igreja - Noiva



Irmãos, na reunião anterior, nós usamos esse texto de fundamento, para falarmos um pouco sobre a figura da igreja como noiva ou esposa de Cristo. Fica muito claro quando Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, escreve então essa passagem aos Efésios e o panorama, o pano de fundo por detrás dessa passagem, é o relato de outro autor inspirado pelo mesmo Espírito, Moisés, no seu segundo capítulo do livro de Gênesis.

Quando eu citei para os irmãos aqueles versos de Gênesis 2, os irmãos se lembram, quando fala da criação da mulher a partir do homem, existe uma pequena palavra ali, muito significativa, que diz que quando o Senhor tomou aquela parte do corpo do homem, segundo a palavra aquela costela, então o texto diz que o Senhor edificou a partir daquela costela, para o homem, uma mulher. Esse é o sentido exato do termo no original. Nós temos a nossa tradução, se você quiser conferir lá, em Gênesis cap. 2, você vai ver a palavra “transformou-a” no cap. 2:22 de Gênesis. A costela que o Senhor Deus tomara ao homem transformou-a em uma mulher e lha trouxe. A palavra usada no original pelo Espírito trás uma idéia mais precisa porque de certa forma, esse ato segundo a nossa versão aqui em português parece um passe de mágica, não é? “Transformou-a em uma mulher”. Mas a idéia no original não é essa. A idéia é que Deus, assim como Ele trabalhou do pó um corpo, no qual então Ele soprou o seu Espírito e quando o seu Espírito entrou em contato com aquele corpo, diz a palavra que o homem foi feito alma vivente, da mesma forma, na criação da mulher, o texto sugere um trabalho de Deus em algo que Ele retirou do homem. Isso é importante. Isso não é apenas um adendo, um acessório não. Versículo 22 de Gênesis 2, a costela que o Senhor Deus tomara ao homem, edificou-lhe uma mulher e não transformou-a e uma mulher. E não transformou-a em uma mulher. Não houve aqui um ato instantâneo como um passe de mágica. Houve um trabalho de Deus assim como ele trabalhou inicialmente no corpo do homem, formado do pó da terra. A mulher não foi formada do pó da terra, mas houve um trabalho para que ela fosse então edificada.

Essa linguagem é muito linda, porque ela confere com tudo o que a palavra tem a dizer a respeito da igreja, ou no que se refere ao Velho Testamento, ao povo da aliança de Deus do Velho Testamento, o povo de Israel. Observe os irmãos. Quando o Senhor começou a tratar com Abraão, ele o chamou da terra da idolatria, de Ur, e então milagrosamente, pela ação de Deus, Abraão e Sara, eles geram então aquele filho, Isaac. Depois Isaac, através de sua esposa Rebeca, gera então dois filhos: Esaú e Jacó. Jacó, soberanamente separado por Deus, diz a palavra, que ele foi escolhido antes de ter nascido, antes de haver aqueles gêmeos, Esaú e Jacó, praticado o bem ou praticado o mal, para que a eleição de Deus quanto a graça prevalecesse, como Paulo diz em Romanos, e então Ele amou a Jacó e se aborreceu de Esaú. Essa é uma escolha soberana de Deus. Isso foi algo que é da competência exclusiva de Deus. Deus agiu assim. Paulo diz em Romanos 9: amei a Jacó e me aborreci de Esaú. E quando você lê todo o contexto, a palavra diz que Deus então agiu assim baseado em uma escolha eterna. Estou reforçando isso só de passagem porque na reunião anterior nos falamos bastante sobre essa escolha, que essa noiva, que é a figura que nós temos procurado compartilhar agora, usando essa metáfora Bíblica, a noiva ou a esposa, ela foi escolhida, no coração de Deus, antes da fundação do mundo, como uma esposa para o seu filho. Nós vimos na reunião anterior que a igreja é uma dádiva - você se lembra? - é uma dádiva riquíssima, porque é uma dádiva do Deus santo. É uma dádiva o Deus o Pai, para Deus o Filho. Isso é muito claro na palavra. João fala isso no cap. 10, ca 17, quando o Senhor ora, ele mesmo fala isso. Ele fala assim: João 17:6 ....... Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra. E depois Ele disse: eram teus e tu me destes. Essa relação fica muito clara, através de vários textos. João 17, João 10, que a igreja é uma dádiva de Deus o Pai para Deus o Filho. Isso confere um caráter sublime à igreja. Dádiva do Pai para o Filho. Algo então que foi realizado lá na eternidade, em Deus. Por isso que Paulo fala em Efésios que nós fomos eleitos em Cristo, antes da fundação do mundo. Então nós gastamos bastante tempo na reunião anterior para mostrar, para os irmãos, a origem disso tudo. Talvez, na reunião anterior, nós tenhamos falado mas de Cristo do que da igreja. Mas a finalidade foi exatamente essa, mostrar que esse amor eletivo de Cristo separou a igreja, antes da fundação do mundo. O amor eletivo de Deus. Guarde essa expressão. Você individualmente, nós como igreja, nós somos chamados, separados pelo amor eletivo de Deus, um amor que elege, um amor que soberanamente elegeu, Ele quis assim. Um amor que livremente elegeu, um amor que incondicionalmente elegeu. Então nós não poderíamos começar a falar dessa metáfora, de outro lugar, porque senão nós poderíamos nos confundir. Por que é que essa noiva foi escolhida, baseada no quê? Então nós temos que começar a falar sobre a noiva no coração do noivo, porque foi Ele quem escolheu. Foi uma dádiva eterna daquela relação trinitária. Deus o Pai concedeu a Deus o Filho, um corpo de redimidos. E esse corpo então seria constituído sua noiva. Nós já falamos sobre o corpo em uma outra metáfora. Agora estamos falando da noiva. Se refere ao mesmo povo. A igreja é família, é corpo é noiva, é exército, é templo, é tudo isso, é a igreja. Todas as metáforas falam de edificação. Então quando você lê Gênesis 2:22, e naquele texto, naquela figura tão linda do que o Senhor fez literalmente, isso não é uma historinha, isso é um fato real, literal, mas aquilo que o Senhor fez em Adão, fala muito mais do que Adão. E aquilo que Ele fez edificando aquela mulher, fala para muito mais do que aquela mulher. É óbvio. Paulo mostra o sentido mais rico do que especificamente Adão e Eva, quando ele escreve Efésios 5, quando ele diz: eis porque deixará o homem pai e mãe. Ele está citando Moisés, está citando Gênesis. Onde está escrito que deixará o homem pai e mãe? Em Gênesis cap 2. Então quando Paulo fala em Efésios “eis porque deixará o homem pai e mãe”, ele está tomando aquele mistério da criação e nos mostrando que aquilo fala algo mais do que o literal, do que o natural. Nosso casamento está para muito além do nosso próprio casamento. Nosso casamento é designado a falar algo sobre o amor de Cristo pela sua amada igreja. Para isso nós somos casados. O Senhor estabeleceu um vínculo matrimonial com esse propósito. Por isso casamento sem Cristo não é nada. Ele não tem significado, porque o casamento existe para algo muito além do próprio casamento que é refletir o relacionamento entre Cristo e a igreja. Isso precisa ser capturado por nós. Então irmão, em Gênesis 2:22 a palavra hebraica é “edificou” e não “transformou” como está na sua Bíblia. A costela que Deus tomou do homem, edificou para ele uma mulher.

Então como eu estava citando, se você olhar a história de Jacó, você vai ver que o Senhor faz algo muito lindo, porque na escolha soberana de Deus, Ele escolheu Jacó, Ele amou Jacó e não Esaú, e então Ele começa a trabalhar Jacó. Era um suplantador, como o seu nome significa, um espertalhão e o Senhor começou a trabalhar aquele espertalhão, para tornar esse esperto em um homem de Deus e o Senhor começa a despir Jacó, quebrar Jacó, moer Jacó. Até mesmo que ele tem que fugir da sua casa, com medo de Esaú, porque ele roubou o direito de primogenitura. E quando ele está nesse processo de fuga, ele toma uma pedra e coloca essa pedra por travesseiro, lá em Betel, não é assim? Êxodo cap. 28. Ele usa essa pedra de travesseiro e tem um sonho e vê anjos de Deus em uma escada cujo topo atingia o céu e nessa escada, anjos de Deus subiam e desciam. Então quando ele acordou meio que apavorado daquele sono e daquele sonho, daquela visão, ele diz: quão terrível é este lugar. É a casa de Deus, a porta dos céus. Olhe que coisa interessante. Betel. No hebraico duas palavras. Beyth-’El. El Deus, bete casa. Casa de Deus. Betel. Uma pedra. Uma pedra que Jacó colocou como travesseiro. Depois se você acompanhar o relato sobre a casa de Deus no Velho Testamento, o que é que você vê? Você vê que a partir daquele sonho de Jacó, o Senhor começou a concretizar a realidade, primeiro no literal, no natural, e depois no espiritual, no Novo Testamento a respeito da Igreja. Primeiro literal, primeiro o povo de Deus, do Velho Testamento a respeito da igreja. Mas primeiro literal, o povo de Deus do Velho Testamento, o povo de Israel, que são os filhos de Jacó, que foi chamado Israel. Então quando você continua lendo a partir de Gênesis 28, quando Jacó tem aquele sonho com Betel, a casa de Deus, se você continuar lendo, você vai ver que Jacó tem doze filhos, você vai ver que os filhos vão para o Egito junto com ele, você vai ver que Moisés entra no Egito e chama aquele povo, liberta aquele povo - não é assim? - pelo sangue do cordeiro, leva o povo para o deserto, no deserto Deus fala com eles sobre o tabernáculo, eles constróem um tabernáculo, e se você acompanhar a linha toda, e depois do Tabernáculo, com Salomão, filho de Davi, o templo. O Tabernáculo era móvel, o templo era fixo. Então você vai Ter um progresso de revelação. Primeiro uma pedra só. Um Jacó. Depois doze filhos de Israel. Depois um povo no Egito. Depois um povo no deserto: o tabernáculo. Depois um povo em Jerusalém, e o templo de Salomão. Você vê? Primeiro uma pedra com Jacó. Depois um templo com Salomão. Então essa idéia de edificação, ela permeia toda a Bíblia. Edificação irmão, é uma palavra chave da Bíblia. Não é apenas o Novo Testamento. É uma palavra que vai de Gênesis a Apocalipse. Edificação. O propósito de Deus é edificação. Por isso você vê logo em Gênesis 2: tomou uma costela do homem e edificou uma mulher. É a palavra hebraica. Você vai ver edificação por toda a Bíblia.

Aí você encerra o Velho Testamento. Depois entramos no Novo Testamento. O que é que você vê no Novo Testamento? Em primeiro lugar, você vê uma pedra, como Jacó. Uma pedra. Quem é essa pedra? Cristo. Pedro diz que Ele é a pedra angular. A pedra que os construtores rejeitaram. E depois daquela Pedra que é Cristo, você vê mais doze. Não é assim, assim como Jacó gerou doze filhos. Você vê o Senhor separando doze apóstolos. Judas era um traidor, um filho do diabo. Mas depois que ele saiu do colégio apostólico o Espírito Santo colocou outro ali naquele colégio, como nos diz Atos cap. 2. Então continuam as doze pedras. Então assim como você vê Jacó e os seus doze filhos, você tem Cristo e seus doze apóstolos. E a partir daqueles doze você tem cento e vinte no cenáculo que esperaram a descida do Espírito Santo e quando o Espírito Santo desceu sobre aqueles cento e vinte, eles foram constituídos um templo, uma casa espiritual. Você vê? A mesma coisa? A mesma coisa lá no Velho Testamento, no tipo, você vai ver a realidade através de Cristo? Então a edificação é um assunto que permeia toda a Bíblia e não pára no Pentecostes. Quando você lê, assim como lá no processo de Deus no Velho Testamento não parou com Jacó nos doze e nem mesmo com as tribos de Israel lá no deserto. Você vai ver lá o templo de Salomão e toda aquela glória. Assim no Novo Testamento, você também não pára no Pentecostes, naqueles cento e vinte. Você vai ver daí a pouco mais três mil quando Pedro prega. Daí a pouco mais cinco mil, quando Pedro prega e aquele corpo está engordando, está crescendo. E depois você vai no Apocalipse, quando o Senhor Jesus na sua vinda, quando Ele tiver consumado todo o propósito de Deus, reunido todos aqueles que andaram segundo a sua revelação e creram Nele, desde Adão, então você vai lá no último livro da Bíblia, dá um salto, de Gênesis para Apocalipse, no cap. 21. O que é que você lê lá? Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles e serão o povo de Deus. Apocalipse 21: 3 Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. 4 E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. Você vê a edificação? Impressionante esse assunto na Bíblia. Ele permeia toda a Bíblia. Então, eu estou fazendo uma abordagem rápida aqui para que você veja que esse assunto está profundamente ligado à metáfora da noiva. O Senhor está edificando o quê? Está edificando uma noiva. Usando a outra metáfora que eu já falei, Ele está edificando um corpo. Usando uma outro metáfora que eu vou falar, Ele está edificando um templo. Todas essas metáforas falam de uma coisa só. Usando a primeira que eu abordei com os irmãos, está edificando uma família, uma família de filhos. Não é? Então irmãos, todas as metáforas de Paulo falam de edificação. Estou repetindo isso pela terceira vez, porque é muito importante. O corpo de Cristo não é algo estático. Você não nasceu de novo, e agora você cruza o braço e espera o Senhor Jesus voltar para você ir para o céu. Não. O Senhor está edificando uma família de filhos. Ele está fazendo com que pedras esbarrem em pedras. Pedras sejam justapostas a pedras. Pedras sejam picaretadas para que elas possa se adaptar, se conjugar uma a outra. Paulo usa tanto essa figura. Ele fala assim: Efésios 3:17 e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor, cresçamos em tudo. Ele fala em Efésios que nós estamos sendo edificados pelo auxílio de toda junta. Efésios 4. Lembra? Efésios 4:16 de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor. Então não perca de vista essa figura da edificação. Quando o Senhor Jesus estava em carne, Ele disse assim: João 5:17 Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Não foi diferente com relação ao Espírito Santo quando desceu. Quando o Espírito Santo desceu, o Pai tinha realizado o seu trabalho, o Filho já tinha completado o seu trabalho, total na cruz, onde Ele disse: está acabado, Eu já acabei, consumei, está consumado, mas o Espírito Santo não. O Espírito Santo a partir daí foi enviado, sendo Deus, Ele também é Deus, o Espírito Santo foi enviado para trazer à luz, tornar realidade prática tudo aquilo que Cristo já acabou na cruz. Processar a nossa salvação dentro de nós. Então o Espírito vai regenerar, o Espírito vai transformar a mente, o Espírito vai quebrar a vontade e amoldar à Cristo, o Espírito vai transformar os afetos, o Espírito vai transfigurar até mesmo o nosso próprio corpo, como Paulo disse lá em Romanos 8. Ele vai tragar a morte no nosso corpo. O Espírito de Deus, aquele que vivifica os mortos. Então os irmãos estão vendo a edificação? O Pai trabalhou, o Filho trabalhou, e na pessoa do Espírito, o Pai e o Filho continuam trabalhando. No que concerne à Trindade econômica, ao trabalho de Deus, o Espírito Santo é hoje o que tem trabalhado, para efetuar essa edificação, edificando essa noiva para Deus. Muito importante você não perder isso de vista.

Mas agora nós podemos voltar para Efésios capítulo 5. Nós comentamos na reunião anterior o primeiro termo do verso 25, o primeiro verbo. Primeiro diz: Cristo amou a Igreja. E agora vai dizer quatro coisas então definidas que Ele fez baseadas nessa amor. Em primeiro lugar, verso 25, se entregou. Foi aí que nós paramos na reunião anterior, mostrando para os irmãos, como é significativa essa palavra no uso que Paulo faz dela. Eu citei para os irmãos Romanos, cap. 4, onde ele diz que Cristo foi entregue por causa das nossas transgressões. Ele não estabeleceu com a igreja nenhum tipo de contrato. Com esse povo que foi escolhido antes da fundação do mundo ele fez uma aliança, uma aliança incondicional, e não um contrato. Aqui diz: Efésios 5:25 .......... Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela. Nós já examinamos esse significado. Foi assim que Cristo iniciou o processo para edificar a igreja. A primeira coisa: amou. Agora o primeiro aspecto dentro desse amor, porque é porque ele amou que ele se entregou, santificou, purificou, para apresentar, como está escrito aí no verso 25, 26 e 27. Entregou primeiro, a santificou, depois purificou, e no verso 27, “para apresentar”. São quatro verbos. Tudo isso é baseado no seu amor. Não é? Então a primeira expressão prática do seu amor é a sua entrega. Ele se entregou. No que concerne a nós, para que essa noiva seja edificada irmãos, é igualmente verdadeiro para nós. O que é que nós precisamos fazer na igreja uns para com os outros? Entregarmos. Entregarmos não apenas as nossas vidas, mas entregarmos tudo o que somos. Os nossos talentos, os nossos dons, aquilo que o Senhor te conferiu, o seu serviço no corpo, seu ministério, tudo isso não é para você e sim para edificação da igreja. Então é um assunto de oração sua diante do Senhor que Ele possa trazer com clareza para você qual é a tua parcela no corpo. Qual é a tua parcela de cooperação no corpo. Como que você coopera para a edificação do corpo? Não importa o que você faça. Não tem de escalonar serviços no corpo, tentando conceder mais glórias a uns, e menos glórias a outros, porque isso não existe. A glória do serviço está naquele que o concedeu. Se o Senhor disse para você que o seu assunto aqui é varrer o salão todo dia, então a sua glória está em varrer o salão todo dia, porque a sua glória está no serviço daquele que te concedeu: O Senhor. Então não tem que escalonar ministérios, porque isso não é correto. Cada um deve ser fiel naquilo que o Senhor lhe concedeu para a edificação da igreja. Tão importante compreender isso. Não é? Então o Senhor se entregou. Ele entregou a sua vida e tudo o que Ele tinha. Seu tempo. Ele entregou todo o seu tempo, dedicou a doze pessoas, especificamente, especialmente. Então a igreja foi edificada não só pela morte do Senhor. A entrega do Senhor culminou na morte do Senhor. Esse é o ato mais importante. Se Ele não morresse não teríamos nada, mas a entrega do Senhor não começa na morte. A entrega do Senhor começa na vida. Sabe por que muitas pessoas na história da igreja falharam quando chegou a hora do seu possível martírio onde negaram o nome de Cristo assim como Pedro? Porque falharam na entrega da vida. Todas as vezes que falharmos na entrega da vida, em vida, falharemos na entrega da vida na morte. Primeiro nós precisamos ser um mártir vivo, para depois sermos um mártir na morte. Então a entrega do Senhor para a sua igreja culminou na cruz, mas não começou na cruz. O Senhor começou a se entregar aos seus discípulos desde o início do seu ministério. Se entregou totalmente. Ele disse assim: o Filho do Homem não veio para ser servido, mas Ele veio para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. Marcos 10:45 Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. Duas coisas e não uma só. O Filho do homem veio para, em primeiro lugar, servir. Primeiro é prestar serviço. Segundo lugar. Dar a sua vida em resgate de muitos. São duas coisas e não uma só. Mas são uma continuidade. O Senhor entregou a sua vida em vida e entregou a sua vida na morte. Então, nós precisamos ver, em primeiro lugar, esse aspecto tão lindo da edificação dessa noiva. Como que tudo começou: o Senhor se entregou. Ele amou a igreja com amor Ágape, incondicional, não dependeu de nós. No que concernia a nós, se Deus nos aspirasse, o nosso cheiro era muito ruim: motivações impuras, pecados, amor ao mundo e muita coisa a mais. Não é? Mas o Senhor pôde nos aspirar através do bom perfume de Cristo, como Paulo diz. (2 Coríntios 2:15) Porque Ele se entregou pela igreja. Ele cumpriu toda a justiça que era necessária para que nós fôssemos justificados. Você não processou a sua justificação. Ele processou e você creu Nele. Não é? Então veja como é rica essa palavra entregou, no que concerne à edificação da noiva, da igreja. Foi assim que Cristo fez. É assim que por Ele, e por Ele significa Nele, através Dele, por meio Dele, nós precisamos fazer para que a igreja seja edificada. Se você não tiver um coração de servo, entrega, incondicional, e como eu tenho dito não é avaliando de que maneira você pode receber a troca, mas é dando, quer você seja entendido, quer você seja não entendido. Que o nosso coração possa ser afinado no nosso serviço ao Senhor para que saibamos servir de qualquer maneira, em qualquer situação. Então essa entrega, é o primeiro aspecto importante que eu coloquei para os irmãos.

Eu queria voltar aqui em João 17, bem rapidamente, e eu li também alguns textos na reunião anterior, mas não concluir o que eu queria colocar para os irmãos, no cap. 17 de João. Abra por favor a sua Bíblia. Esse cap. 17 de João ele é extremamente rico. Ele é chamado de o “santo dos santos da Bíblia” por alguns estudiosos de tão rico ele é. Então irmãos, no meio de tanta riqueza, eu queria que nós víssemos aqui, como –vamos ser bem aplicados aqui, bem práticos - como que o Senhor Jesus Ele guardou, Ele se entregou a essa igreja, a essa noiva, a esse corpo. Inicialmente aqui a doze e como nós vimos no verso 20 quando Ele ora ao Pai - não rogo somente por estes mas por aqueles que vierem a crer em mim - incluiu todos nós. Todos aqueles que viriam a crer e o Senhor não disse assim: todos aquele que tenham a possibilidade de crer ou não crer. Não. O Senhor não está nessa hesitação, que é uma hesitação de tantos teólogos modernos. O Senhor não está hesitando em nada. Ele está orando como algo claro, definido. Ele disse assim: eu rogo por aqueles que vão crer. Como é que o Senhor pode afirmar isso? Se crer depende do homem, então Ele não pode afirmar. Está certo o raciocínio? Mas se crer não depende o homem, então Ele pode afirmar. Ele pode afirmar no versículo 20 que Ele não roga só por estes, mas também por todos aqueles que vierem a crer. Isso é algo afirmativo, não é hipótese. Não é possibilidade. É afirmação. Aqueles que vierem a crer. Eles vão crer. Eles foram eleitos em Cristo antes da fundação do mundo. O Evangelho vai alcançá-los. Aqueles que vierem a crer em mim. E como que eles vão crer? Do nada? Não. Por intermédio da sua palavra. Então a palavra tem que ser pregada, para que os eleitos possam ser chamados à fé. Está vendo a coerência das doutrinas Bíblicas? Então, quando você olha lá no verso 6, o Senhor diz assim: João 17:6 Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra. Queria que o irmão pensasse um pouquinho sobre isso. Como que o Senhor edifica a sua igreja. O que é que Ele fez para guardar essa igreja, para que aqueles doze não se perdessem, com exceção de Judas que era filho da perdição? O que é que o Senhor fez para que eles não se perdessem? Queria que você guardasse essa expressão: manifestei o teu nome. Irmão. Sabe qual a causa da fraqueza da igreja nos nossos dias? As pessoas estão ocupadas com outras coisas, mas não com o caráter de Deus, o Deus da Bíblia. Não é o Deus da imaginação do pregador. Não é o Deus do favoritismo de cada um. É o Deus da Bíblia que é o único Deus. O Deus que se auto revelou na Bíblia, porque se não, ninguém o conheceria. Esse Deus, o nome deste Deus, é a única coisa capaz de guardar a igreja e de edificar a igreja como uma noiva para Cristo. Você vê a importância disso? Você vê o que é que Jesus está dizendo? Irmão. Quem é o Senhor Jesus? Ele era apenas um homem? Não. Ele é Deus. E o que é que você acha quando esse Deus, sendo Deus o Filho, diz assim: eu manifestei o Teu nome aos homens que me destes. Será que Ele como Deus não era suficiente para guardar aqueles onze? Será que não era suficiente? É claro que Ele era suficiente, mas o propósito do Filho, na pessoa do Filho, no caráter do Filho, nós temos então a revelação do Pai. Eu e o Pai somos um. Então quando Ele diz: eu manifestei o teu nome aos homens, Ele está dizendo que no caráter Dele, na pessoa Dele, a natureza do Pai é vista. Hebreus diz assim que Ele é a imagem do Deus invisível. Paulo diz em Colossenses, e o autor de Hebreus diz mesma coisa paralela. Ele é o resplendor da glória e a expressão exata do seu ser. Então o que é que o Senhor Jesus fez? Manifestou o nome do Pai àqueles que foram dados a Ele. Por que é que eles foram guardados? Porque o nome do Pai foi manifestado a eles. Os irmãos estão vendo? Com que é que a igreja tem que gastar tempo? Com o nome de Deus. Isso significa o caráter de Deus, o ser de Deus, a pessoa de Deus. Irmão. Isso é coisa que você não escuta nos púlpitos atuais. Você escuta muito sobre benção, muito sobre cura, muito sobre prosperidade, muito sobre tudo. Mas você não escuta quase nada sobre o nome de Deus, o Deus da Bíblia: os atributos de Deus, a natureza de Deus, o caráter essencial de Deus. Isso não é pregado mais. Isso fugiu dos púlpitos modernos. Por isso a igreja é tão fraca. A igreja tem uma concepção de Deus, que é um Deus utilitário, um Deus que se deixa usar pelo homem para que o homem alcance alguma coisa. Enquanto o nome de Deus não for resgatado nos púlpitos modernos, não há edificação da igreja. Há um bando de crianças alucinadas, correndo de um lado para cá e como eu disse algumas vezes, cada uma balançando o seu chocalho e disputando com o nenen do lado qual o chocalhinho que é mais bonito. Mas os dois estão envolvidos com brincadeiras, brincadeiras teológicas. Cada um tem as suas preferências. Não é? Mas são as chupetinhas teológicas. Enquanto o nome de Deus não reocupar os púlpitos modernos, como aconteceu em todos os avivamentos na história da igreja, aconteceu lá no retorno do cativeiro da Babilônia, lá com Esdras, com Neemias, foi isso que aconteceu, a palavra foi aberta de novo e pregada e em todos avivamentos na história da igreja a mesma coisa, puritanos, reforma, avivamento morável, onde você quiser olhar, você vai ver a mesma coisa, a palavra de Deus recuperada e pregada, o nome de Deus, de novo, aclarado aos santos e o povo de Deus adorando porque estavam conhecendo a Deus. Isso é igreja. Isso é a noiva sendo edificada. Manifestei o Teu nome aos homens que me destes. Olhe que frase maravilhosa. Qual é a tua incumbência número um como filho de Deus? Qual o ministério que você tem? Qual o talento que o Senhor te deu? Qual o dom que o Senhor te deu? Não importa. A sua incumbência chave como filho de Deus, é manifestar o nome de Deus, para o seu marido, para a sua esposa, para o seu vizinho, para o seu irmão, para o incrédulo, para o companheiro de trabalho, na escola onde você estuda. Manifestei o Teu nome. A única coisa capaz de edificar a igreja é a manifestação do nome de Deus. Queria que você percebesse isso irmão. Olhe ainda, nesse capítulo mesmo de João, olhe o verso 9. João 17:9 É por eles que eu rogo; Falei na reunião anterior que o Senhor ora por um povo muito específico, a igreja, o povo que Ele redimiu. Não é pelo mundo inteiro, toda criatura, não é o universalismo. Não é? Universalismo não tem fundamento bíblico. Cristo morreu pela igreja, um povo específico e é por esses que Ele intercede, como Ele deixou muito claro aqui nessa oração e o autor de Hebreus também é muito claro sobre isso. Eu já falei sobre esse assunto. João 17:9 É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus; Então eu queria que você visse no verso 6: me deste. No verso 9: me deste. Está vendo? Duas vezes e você vai encontrar mais referências nessa oração. Então você vê que a igreja, essa noiva, é uma dádiva do Pai para o Filho. É aí que tudo começa. Agora irmão, no que concerne ao versículo 6 que eu coloquei aqui “manifestei teu nome aos homens”, olhe no versículo 6 mesmo, no final. Eram teus, tu mós confiastes. Agora olhe a expressão final. E eles tem feito o quê? Guardado a Tua palavra. Olhe no verso 17. Santifica-os na verdade. A Tua palavra é a verdade. Os irmãos estão vendo? A única forma da igreja ser edificada como noiva, trazida nos seus afetos no Senhor, nos seus interesses ao Senhor, na sua vontade ao Senhor, na sua mente ao Senhor, só uma maneira: a palavra de Deus, a manifestação do nome de Deus, que é exatamente a mesma coisa, as minhas palavras - o Senhor Jesus disse, são espírito e são vida - então a palavra do Senhor, e o Senhor são a mesma coisa. Então manifestar ao nome do Senhor e manifestar a palavra do Senhor, é a mesma coisa. Deus se revela pela sua palavra. A igreja só pode ser edificada como noiva quando esse povo estiver centrado na palavra. Se nós falamos já da centralidade de Cristo, eu já falei tanto, se eu tenho falado agora nesse sétimo alicerce da revelação de Deus, da centralidade da igreja, deixe-me eu colocar mais uma centralidade aqui para completar essa tríade: a centralidade da palavra. Irmão, se a igreja não compreende essas três centralidades, ela está completamente perdida. Se ela não tem a centralidade de Cristo em primeiro lugar, ela está embaraçada. Se ela não vê a centralidade da igreja no propósito de Deus, ela também está embaraçada, porque ela como igreja vai viver para alguma outra coisa que não para ela mesma e ela como igreja deve viver em primeiro lugar para a sua edificação e em segundo lugar para alcançar aqueles que estão no mundo. Então a centralidade da igreja no propósito de Deus e terceiro, a centralidade da palavra. A igreja se reúne, a igreja vive, eu não gosto dessa palavra “se reúne” na maioria das vezes, porque reunião é só uma pequena faceta do que é o corpo de Cristo. Às vezes nós achamos que reunião é tudo. Reunião é uma pequena parte, importantíssima, mas é uma pequena parte. O corpo de Deus vive, muito mais do que se reunir. Ele vive, em torno da palavra. Sua casa tem que viver em torno da palavra. Você precisa orientar os seus filhos em torno da palavra. Você precisa apascentar a tua esposa com a palavra. Você precisa aconselhar, ajudar, exortar um irmão com a palavra, do contrário você só vai ministrar conselhos. Isso não vai ajudar quase nada. Então a centralidade da palavra, é um assunto claro em João 17. Você vê? Versículo 6. Eles tem guardado a Tua palavra. Olhe o verso 8: Eu lhes tenho transmitido as palavras que me destes e eles a receberam. Olhe o versículo 14: Eu lhes tenho dado a Tua palavra. Vocês estão vendo? Era tudo o que o Senhor tinha para dar para eles. As palavras que Eu vos tenho dito são espírito e são vida. A centralidade da palavra. Verso 17 que eu já citei. Santifica-os na verdade. A Tua palavra é a verdade. Versículo 20: Não rogo somente por estes mas por aqueles que vierem a crer em mim por intermédio da Tua palavra. Quantas vezes, não é? A palavra, a palavra, a palavra. A centralidade da palavra.

Agora irmão, vamos usar um texto de Paulo. Abra em 2ª Coríntios 11. Tudo isso que eu estou citando ainda está dentro do primeiro tópico lá do texto de Efésios que é o nosso texto básico. Cristo se entregou pela igreja. (Efésios 5:25 .......... Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela.) Cristo se entregou. Se entregou não só na morte, mas se entregou na vida. Como que Ele se entregou na vida, acima de tudo, em primeiro lugar? Manifestando para aqueles discípulos “ a palavra”. Em outras palavras, o nome de Deus. A mesma coisa. O caráter de Deus, a pessoa de Deus, a palavra de Deus. Tudo a mesma coisa. Olhe lá em 2ª Coríntios 11, vamos ver o que Paulo fala para essa igreja dos Coríntios. 2ª Coríntios 11:1 ¶ Quisera eu me suportásseis um pouco mais na minha loucura. Suportai-me, pois. 2 Porque zelo (ou literalmente, eu tenho ciúmes de vós) por vós com zelo (ciúmes) de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar (a mesma palavra que está lá em Efésios - para apresentar a si mesmo uma igreja gloriosa sem mácula nem ruga, nem mancha, porém santa e sem defeito) como virgem pura (essa metáfora que nós estamos apresentando aqui a noiva) a um só esposo, que é Cristo. Irmão. Tem muita coisa neste texto. Vamos com cuidado aqui. Uma virgem pura, para um só esposo que é Cristo. Essa é a terceira metáfora da igreja. A igreja é noiva, esposa de um só noivo. Vamos seguir. Verso 3 e 4 eu queria enfatizar a importância para os irmãos dentro do enfoque da oração do Senhor em João 17. A preocupação do Senhor em João 17 é a mesma de Paulo aos Coríntios. Procure ver a relação. O que é que o Senhor preocupava de lá em João 17? Pelo fato deles serem guardados pela palavra. Pelo fato de que eles receberam o nome de Deus através da palavra e guardaram e receberam Paulo diz assim no verso 3. 3 Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo. Eu falei na reunião anterior que nós iríamos ver alguns perigos ligados a essa metáfora noiva e aqui então eu já queria mostrar o primeiro perigo para os irmãos. Quando nós não temos adequadamente na nossa visão a centralidade de Cristo, nosso noivo, a pessoa e obra de Cristo, a centralidade da igreja dentro do propósito de Deus, como já tenho falado e a centralidade da palavra, nós estamos completamente desarmados, vulneráveis a todo tipo de engano. Se você passar a sua vista no cristianismo em geral, onde você quiser olhar na face da terra, irmão você vai ver quanto engano. Ainda hoje no meio do povo de Deus continua graçando a teologia liberal, que diz que a palavra de Deus não é totalmente inspirada, que diz que Jesus foi uma figura ética, moral. Tudo o que Ele fez foi um exemplo e nós podemos através do poder daquele exemplo, ser reconciliados com Deus, pelo poder do exemplo moral de Cristo. Ou seja, você que se reconcilia. Ele deu o exemplo moral, poderoso. Então todas as vezes que a palavra é perdida na sua genuinidade, tudo é perdido. Tudo é perdido. Nas palavras de Paulo, duas coisas aí. Duas tão importantes no viver da igreja, que marcam mesmo o que a igreja é como noiva. Imagine uma noiva sem simplicidade. Imagine uma noiva sem pureza. Não é noiva. Simplicidade significa aqui, nesse texto, como na maioria dos lugares em que ela aparece na Bíblia, não falta de alguma coisa. Não é ser privado de alguma coisa. Normalmente a gente usa a palavra assim: Fulano de tal é muito simples e na verdade, o que na maioria das vezes que você quer dizer é que ele é pobre, que ele não quase nenhum recurso deste mundo. Então use a palavra pobre porque as palavras tem valor pelo que são. Simples não significa pobre. Simples significa alguém enfocado em uma única coisa. Isso é ser simples. Ser simples é o contrário de ser dúplice. O Senhor Jesus no sermão do Monte diz assim: se os teus olhos forem bons, tradução literal de Mateus 6, se os teus olhos forem simples, todo o teu corpo será luminoso. Simplicidade é desejar uma só coisa. Duplicidade é ter muitos desejos, muitas ambições. Simplicidade é liberdade. Duplicidade é escravidão. Simplicidade é luz. Duplicidade são trevas. Por isso que o Senhor falou que não podemos servir a Deus e às riquezas (Mateus 6:24), dentro do mesmo contexto. Lucas 11:34 São os teus olhos a lâmpada do teu corpo; se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; mas, se forem maus, o teu corpo ficará em trevas - os simples - todo o teu corpo será luminoso. Não podeis servir a Deus e às riquezas. Você vê a clareza? Então quando a igreja perde a simplicidade ela perde Cristo. Ela tem desejado outros “noivos” que não são Cristo. Quem sabe riqueza, quem sabe prosperidade, quem sabe saúde. Você pode colocar muita coisa boa no lugar de Cristo, muita coisa boa, mas que não são Cristo. Sabe qual a melhor maneira de nós perdermos o melhor? É através do bom. Quando você agarra no bom, você perde o melhor, e o melhor é Cristo. Então quando a igreja perde a centralidade de Cristo, ela perde a simplicidade. Não podíamos deixar de tocar nesse ponto, dentro da figura da noiva. A noiva sem simplicidade ela não é uma noiva, ela é uma adúltera, porque ela tem o coração dividido entre muitos focos. Você vê o que Paulo quis dizer? Olhe: se suas mentes forem corrompidas, se vocês estiverem se desviando para um outro evangelho, ele vai falar no verso 4 e nós vamos chegar lá, ele está dizendo que vocês estão enfocando outros amantes e vocês vão perder a singularidade, a simplicidade de Cristo. Mas não só simplicidade, mas a outra conseqüência: pureza. As duas palavras aludem à mesma realidade. Sabe por que? A palavra pureza significa livre de mistura, constituído de um só elemento. Também fala de unidade. Fala de unicidade. Então, Paulo diz que a simplicidade de Cristo, e a pureza de Cristo podem ser perdidas. Como? 4 Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais. Isso é o que mais você vai ouvir hoje. O que mais existe hoje é um Jesus que Paulo nunca pregou, e que o Novo Testamento nunca conheceu. Desse Jesus está cheio por aí. É um outro Jesus, diferente do que a Bíblia ensina. ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido. É o que mais tem por aí, um espírito do mundo, um espírito que prega uma barganha usando Deus. Um espírito do anticristo, como João falou e ele continua: ou evangelho diferente que não tendes abraçado. O que mais tem aí é isso. Evangelho diferente. Tem nome de Deus, tem nome de Cristo, tem oração, tem nome do Espírito Santo, tem nome de tudo o que está aí na Bíblia. Mas só os nomes. É uma terminologia santa para um conteúdo apócrifo. Um Evangelho diferente que não tendes abraçado. a esse, de boa mente, o tolerais. É o sincretismo, em achar que o Senhor tem falado um pouco aqui, um pouco lá, um pouco através do fulano, do siclano, do beltrano. Tem um pouco de verdade em todo lugar. Também tem nas religiões, nas filosofias, nas idéias de todo mundo. Não é? Isso é tolerar de boa mente. Irmão. Sabe qual é a característica mais marcante do Evangelho e pela qual possivelmente nós como igreja seremos perseguidos no final dos tempos? Leva para casa uma palavrinha para você pensar antes de dormir. Se pensar muito não vai dormir. É a palavra tolerância. Se você é bem informado, lê os jornais, escuta as notícias na televisão, você vai ver que essa palavra tolerância ela é uma palavra de ordem no mundo de hoje. Esse conflito que nós vemos aí de árabes e judeus e etc, cada vez mais realça essa palavra: tolerância. Isso é intolerância. É o fanatismo religioso, é a intolerância. Então a tolerância hoje ela é quase um deus. Um deus tolerância. Mas uma das características mais tremendas do Evangelho, é que ele é sim, intolerante. O Evangelho não tolera Buda. O Evangelho não tolera filosofia humana. O Evangelho não tolera nenhum apóstolo que não confira com a palavra de Deus. O Evangelho é intolerante por natureza. O Evangelho só tolera Cristo e a palavra de Cristo e um ensino que confere com Cristo. O Evangelho tem uma natureza intolerante. Então irmão, não tem que abraçar o mundo com o braço e com as pernas. Você vai cair sentado. O Evangelho tem sim um caráter radical e você deve estar consciente disso.

Paulo usa essa palavrinha hoje tão venerada, ele usa aqui em 2 Coríntios 11:4 Se, na verdade, vindo alguém, prega outro Jesus que não temos pregado, ou se aceitais espírito diferente que não tendes recebido, ou evangelho diferente que não tendes abraçado, a esse, de boa mente, o tolerais. Ele está reprovando. Ele está dizendo: por que vocês toleram? Olhe lá no verso 5. 5 ¶ Porque suponho em nada ter sido inferior a esses tais apóstolos. 6 E, embora seja falto no falar, não o sou no conhecimento; mas, em tudo e por todos os modos, vos temos feito conhecer isto. Ele fala no verso 13 deste mesmo capítulo 13 Porque os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo. 14 E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. 15 Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justiça; e o fim deles será conforme as suas obras. Irmão. A noiva de Cristo ela só pode ser edificada com a palavra genuína de Deus. Confira a palavra de Deus diariamente. Não engula o que ninguém está pregando, nem eu e nem ninguém. Seja um bereano, examine as escrituras para ver se as coisas são de fato assim. Medite na palavra, estude as escrituras, debruce sobre elas, ore sobre a palavra, porque a única coisa que é capaz de guardar o povo de Deus na singeleza e na pureza é o Evangelho, é a palavra, o Evangelho genuíno. Então quando Paulo faz uso dessa figura da noiva, e aqui ele chama de virgem pura, eu queria que você olhasse os problemas que eu falei na reunião anterior, que nós precisamos abordar. Se nós como eu disse, que o Senhor está edificando uma noiva para o seu Filho, nós temos uma responsabilidade dupla de nos conservarmos singelos, simples e puros. Não abrace nada que não esteja conferindo com a palavra. Julgue todas as coisas como diz a Bíblia e retenha o que é bom, porque a igreja só pode ser guardada pelo genuíno Evangelho. Mas nós temos sofrido uma avalanche aí hoje no cristianismo, de pregações de outro Evangelho, de outro Jesus e de outro Espírito, como diz esse texto e tolerado, tolerado tudo isso, porque a tolerância tem sido um Deus nesse século. Não é? Você hoje citar erros, citar problemas e as vezes quando é necessário citar nome de quem prega os erros, você já se tornou um marcado, um intolerante, alguém que acha que é dono da verdade, como muitos dizem. Mas não se preocupe com isso, porque uma das características mais singulares do Evangelho é que ele é intolerante mesmo. Intolerante com tudo o que não tudo o que não confere a ele, e com todos os que não conferem com ele, no que concerne à pregação, ao anúncio.

Vamos terminar esse assunto hoje, e vou praticamente citar para os irmãos, porque eu não queria deixar o assunto pendente nesse ponto mais uma vez. Efésios cap. 5, quando Paulo fez uso da metáfora da igreja, da esposa, como ele faz no verso 25: maridos amai as vossas esposas como Cristo amou a Igreja, ele usa então o primeiro termo: A si mesmo se entregou, um termo então tão rico de significado como já vimos, e depois no verso 26, ele fala: para que a santificasse. Irmão. Que expressão linda desse versículo. Não está dizendo que isso era uma hipótese, que isso era um talvez, que o Senhor morreu pela igreja, que Ele fez tudo o que cabia a Ele. Agora, santificar-se, é um problema da igreja. Se ela for responsiva, se ela procurar seguir o Senhor, então ela vai ser santificada. É claro irmão, que sempre há o elemento da responsabilidade humana. Você não pode violentar nenhum dos dois, esse mistério da soberania de Deus, em contato com a responsabilidade do homem. Isso é um mistério tremendo, como que isso age, como que isso se efetua, mas esse texto está se referindo à soberania de Deus. Este texto está dizendo o que Cristo fez pela sua morte. Os verbos estão no passado. Não é? Olhe a sua Bíblia. Ele “amou”. É passado. Não é ‘nem ama’ e ‘nem amará’. Ele amou, passado. Porque Ele amou, Ele se ‘entregou’, também é passado. Porque ele se ‘entregou’, no versículo 26, para que a santificasse. É passado. É a mesma ordem, o mesmo tempo, a mesma seqüência. Então quando Cristo se entregou, Ele santificou a Igreja, isso é o que concerne à obra Dele. Você vê a profundidade disso? Irmão, você pode ir devagar, depressa, pode levar muitos açoites, poucos açoites. Seu caminho pode ser dificultoso, pode levar muita bordoada, muita cabeçada, mas, se você puder dobrar os seus joelhos, ser mais humilde, ser dependente de Deus, você vai caminhar em uma linha talvez mais retilínea, mas não importa. Isso é a responsabilidade humana. O que importa é que aquelas pessoas pelas quais Cristo morreu, estão santificadas por Ele e estarão com Ele face a face, na nova Jerusalém. Todos chegaremos lá. Agora, a maneira é que fará muita diferença. Alguns possivelmente ficam até fora do reino, do reino vindouro, do reino do Senhor, do reino que Ele vai inaugura nessa terra na sua vinda. Alguns vão possivelmente vão ficar até de fora desse reino para serem disciplinados. Possivelmente. Muitos estudiosos da palavra entendem assim. É possível que seja assim. Mas o fato é que o Senhor santificou a sua igreja e que nem uma alma pela qual Ele morreu vai se perder. Para que a santificasse: isso é passado. Ele já fez. Tendo-a purificado. É outro passado. Ele também já purificou. Você lembra de Pedro lá no cap. 13? Você lembra de Pedro quando o Senhor queria lavar os pés Dele, ele não deixou e depois o Senhor falou: Pedro, se eu não lavar os teus pés, você não terá parte comigo. Você não tem parte comigo. Então Pedro queria mergulhar naquela bacia. Ele falou: Senhor, não só os pés mas o corpo inteiro, as mãos a cabeça. Aí o Senhor falou: Não Pedro. Vós já estais limpos, com a palavra que eu vos tenho falado. Estão vendo? Tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra (Efésios 5:26). Nesse sentido, no que concerne à obra de Cristo, você já foi purificado. A palavra de Deus já regenerou o seu Espírito morto. A palavra de Deus já te deu um novo coração, já te deu uma nova mente, já te deu uma nova vontade, já te deu novas afeições. Você já tem tudo isso novo, só que você tem tudo velho também. Então na sua vida as duas coisas vão ficar conflitando. A mente do velho Adão e a mente de Cristo. Vontade do velho e egocêntrico Adão e a vontade de Cristo, do novo homem. Emoções e os desejos do velho Adão e os desejos de Cristo. Não é? Porque o cristão tem duas naturezas. O ímpio tem uma só. Não é? O cristão tem duas naturezas. Então no que concerne à obra completada, consumada de Cristo, já estamos santificados, purificados, aperfeiçoados, glorificados e apresentados. Tudo em um pacote só. O Senhor não fez uma salvação à prestação. Ele fez uma salvação em um pacote só. É o que está dizendo este texto. Lindo texto. Tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra e o verso 27 apresenta um futuro aqui. No que concerne à plenitude da nossa salvação isso não aconteceu ainda, porque o nosso corpo ainda é um corpo de velho homem, um corpo que está indo para o túmulo e é para lá que ele vai a não ser que o Senhor Jesus volte antes. Então o termo aqui está no futuro por isso. Ele vai apresentar essa igreja a si mesmo gloriosa. Ele já consumou tudo. Paulo quando ele escreve aos romanos ele usa até mesmo essa verdade no passado, quando ele fala que aqueles que o Pai predestinou, a estes Ele chamou, aos que chamou Ele já justificou - também no passado - e aos que justificou, a estes o quê? Glorificou, também no passado. Você está glorificado? O que é que você acha quando você olha para você? Claro que você não está, nem eu. Mas, no que concerne à obra de Cristo, você sim, já está. Isso vai apenas ser evidenciado em você. Você vê o poder disso irmão. Você não vai conseguir colocar essa obra abaixo. Não vai. Porque não foi você quem iniciou. Filipenses 1:6 Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus. Foi isso que Paulo falou para os Filipenses, lembra? Para apresentar a si mesmo igreja gloriosa. Não tem talvez. Não tem senão. Para apresentar igreja gloriosa. Essa é a noiva, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito.

Eu vou terminar agora nesses minutos que faltam, com Efésios mesmo. Efésios cap. 1:23 (23 a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas.) Vou tentar explicar isso em três minutos. Preste atenção. Em Efésios 5, o texto, na nossa tradução, segundo as maiores autoridades bíblicas, e de acordo com os melhores manuscritos do original grego, como nos diz os estudiosos que entendem disso, as maiores autoridades, de acordo com os melhores manuscritos, nos dizem que no nosso manuscrito original, usado por João Ferreira de Almeida, para traduzir a nossa Bíblia do grego para o português, no seu manuscrito que ele então utilizou, no verso 30 de Efésios 5, porque somos membros do seu corpo - alguém, tem uma tradução diferente em que essa frase prossegue? Ou pára aí no corpo? Acho que a de todos nós pára aí, não é? Porque somos membros do seu corpo. Não é assim? Acho que não tem ninguém diferente aqui, não é? Mas não é assim, segundo, eu já falei, as maiores autoridades conferindo os melhores manuscritos do original grego. Esse versículo continua, o que é extremamente coerente com o contexto assim: o verso 29 vem dizendo: ninguém jamais odiou a sua própria carne, antes a alimenta e dela cuida. Olhe que coisa linda. Como também Cristo faz com a igreja. O que é que você vê nesse verso 29? O que aconteceu lá em Gênesis. O Senhor tirou a mulher da costela do homem, edificou para ele uma mulher, trouxe aquela mulher para o homem e disse: essa aí agora é sua. O homem olhou para ela e disse: esse é osso dos meus ossos, carne da minha carne. Chamar-se-á varoa. Paulo tem esse texto como pano de fundo. Está muito claro em Efésios. Então essas autoridades, segundo os melhores manuscritos, eles nos dizem uma coisa muito linda, que o verso 30, ele é da seguinte forma: Efésios 5:29 Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja; porque somos membros do seu corpo, da sua carne e do seus ossos. Que coisa maravilhosa. Você não acha? Porque somos membros do seu corpo, da sua carne e dos seus ossos. Isto está dizendo que a nossa vida, a vida que nos foi concedida pelo Cristo ressurrecto, nos tornou participantes do seu corpo, da sua carne e dos seus ossos. Irmão. Não tem como explicar isso naturalmente não. Nem que a expressão parasse aqui onde está - porque somos membros do seu corpo. Ela é tremenda demais. O corpo ressurrecto de Cristo Jesus, está entronizado, na glória de Deus Pai. Agora, porque essa vida Dele, foi repartida conosco, então Ele nos tornou por causa da sua vida que está em você, que está em mim, Ele tornou a mim e a você participantes do seu corpo e diz então a tradução que eu citei aqui, da sua carne e dos seus ossos. Isso significa: você tem uma união corporal, orgânica com Cristo. Nada te pode separar Dele. Assim como aquela mulher que estava do lado do homem não era o homem. Era o homem? Não era o homem. Era a mulher. Não é? Mas em um sentido ela era o homem, porque ela foi tirada dele. Quando ele olhou ele falou isso. Essa afinal é carne da minha carne. E é osso dos meus ossos. Ele viu que Deus não fez uma obra independente. Ele viu que Deus não fez uma obra do pó. Ele viu que Deus fez uma obra dele. Então ele falou assim: é meu. Você vê a beleza disso? Ele falou: é meu. Osso de meu osso. Carne de minha carne. Isso é o que está escrito aqui em Efésios 5, segundo esses melhores estudiosos. Ela é completa em Cristo. A igreja, por um lado, e por outro lado, a igreja é a completação de Cristo, assim como lá no Éden. E aí que eu queria terminar. Vá lá em Efésios 1, onde eu tinha citado para os irmãos, versículo 23, pois eu quero te fazer uma pergunta. Como é que você interpreta esse versículo? É um texto difícil. (23 a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas.) Você já tem alguma idéia formada? Você já deve ter lido “n” vezes esse versículo, não é? Como que você entende? Vamos ler com cuidado para a gente encerrar. Olha o verso 22. Está dizendo que Deus ressuscitou a Cristo, ele vai falando lá em cima. 17 a 20. Ele ressuscitou a Cristo, o fez assentar à sua direita nos lugares celestiais, e no verso 22 ele diz: e pôs todas as coisas debaixo dos seus pés, está certo? E, agora preste atenção. E o quê? “Para ser”. Mas que expressão mais curiosa. Cristo já não é o cabeça? É ou não é? Então como “para ser” o cabeça sobre todas as coisas, o deu à igreja? Se você pensar com contrário então. Segundo o versículo 22, se Cristo não fosse dado à igreja Ele não seria o cabeça? Você tem que fazer essa pergunta, porque o versículo está dizendo isso mesmo. Para ser o cabeça, o deu à igreja. Olhe que coisa tremenda! E o verso 23, vai tornar o assunto mais tremendo ainda. E vai explicar é claro. Vai dizer assim: A qual. A qual quem?. A igreja. A igreja é o quê? É o seu corpo. Isso nós já sabemos, embora seja um tremendo mistério. Mas tem mais aqui. Agora essa frase: a igreja é o seu corpo. O que mais que ela é? 23 a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que a tudo enche em todas as coisas. Vou te explicar o que é que esse versículo significa e depois estude por você mesmo para você chegar à sua conclusão. Plenitude nesse texto significa completação. E agora então a gente chega no clímax aqui, no auge. Sabe o que esse versículo está dizendo? Está dizendo que Cristo, como Filho de Deus, nada pode completá-lo. Se Ele é

Deus, Ele é perfeito, como Filho de Deus. Mas Cristo não é só Filho de Deus. Ele é também Filho do Homem. Ele é Filho do Homem. Ele não é só Deus. Então porque Ele se encarnou e assumiu a natureza humana, Ele se tornou mediador. Mediador não é só Deus. Se não, Ele não poderia ser mediador. Para mediar duas partes Ele tem que ser totalmente Deus e totalmente homem, como já vimos. Agora preste atenção. Cristo como mediador, Ele só pode ser completo com a igreja. Assim como Adão só podia ser completo com Eva. Não é bom que o homem esteja só. Você vê? Tome cuidado como você entende essa doutrina para você não a tornar uma heresia. Cristo Nele mesmo, Ele é perfeito, completo. Não precisa de nada, pois Ele é Deus, Ele é o Filho de Deus. Mas Cristo como Mediador, aí inclui o aspecto humano, como mediador Ele é homem, Cristo como mediador, Ele só é completo com a igreja. Por isso que tantas vezes, nas epístola de Paulo, fala assim que Efésios 3:10 para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais. Quando ele ora no cap. 3 de Efésios, fala assim: a Ele seja a glória, a Deus seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus. Está vendo? Sempre coloca junto o corpo e a cabeça. Cristo como mediador, não pode ser completo sem a igreja. Cristo, Ele não é completação da igreja. Não. É a igreja que é a completação de Cristo. Cristo não completa nada. Cristo é perfeito. Mas esse novo homem, ele não é completo sem a igreja. O novo homem tem Cristo como a cabeça e a igreja como corpo. Então para que Deus no seu propósito eterno sujeite todas as coisas aos pés de Jesus Cristo, Ele irá sujeitá-la aos pés do seu corpo que é a igreja. Lembra quando Paulo escreve aos romanos: Romanos 16:20 E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás. Debaixo de onde? Dos vossos pés. Não dos pés de Cristo, mas dos vossos pés, porque a igreja são os pés de Cristo. Então você vê a grandiosidade disso irmão? Para ser o cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja, a qual é o seu corpo, completação daquele que tudo enche em todas as coisas. Esse é o sentido de plenitude aí. Completação. A igreja é a completação de Cristo. Cristo não é a da igreja. Mas a igreja é a completação. Então você pode dizer que Cristo como mediador não é completo sem a igreja.

Essa então é sem dúvida a verdade mais tremenda de Efésios. Cristo como mediador não é completo sem a igreja. Por isso a igreja deve chegar à estatura da plenitude de Cristo para que através da igreja a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida de principados e potestades e nisso está incluído eu e você. O que é que você acha sobre a sua vocação? É pequena? Por isso Paulo falou aos Filipenses que ele prosseguia para o alvo da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Essa é a soberana vocação. A igreja é a completação de Cristo. Cristo como mediador não é completo sem a igreja. Ele como mediador já executou tudo na cruz para que a igreja chegue nessa estatura. E ela vai chegar. Nada poderá impedir porque sobre essa rocha edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Edificarei a noiva.

Irmão, quando você compreende pelo Espírito de Deus essa visão, você tem uma visão que governa o seu entendimento de todo o Novo Testamento. Você não se perde mais, você tem uma visão regente que vai te governando em tudo o que você lê, em tudo o que você ouve, em tudo o que você escuta de qualquer pregador, em qualquer livro que você lê, você vai saber se aquilo confere ou não com a visão celestial. Por isso é tão importante estudarmos essas metáforas e compreendê-las, porque a igreja ela é central no propósito de Deus, assim como Cristo é central. Amém. Vamos orar.



Pai obrigado porque o Senhor nos chamou para uma vocação tão suprema, tão elevada. Nosso problema é a nossa pequena compreensão sobre a grandiosidade de tudo isso Senhor, e nós precisamos pedir mais uma vez que o Teu Espírito possa nos assistir em nossa fraqueza e possa nos revelar com mais profundidade e clareza e com poder mais conquistador sobre as nossas vidas essa realidade profunda do mistério de Cristo e da Igreja. Nós queremos compreender com mais clareza que nós não somos um povo com uma idéia filosófica no meio de tantas idéias, mas que nós somos a igreja, o corpo singular de Cristo. Que o Senhor possa nos conceder Senhor, que as escamas de nossos olhos do espírito, caiam realmente e possamos ver todas essa grandiosidade da nossa salvação e da nossa vocação em Cristo Jesus. Pedimos que o Senhor nos amarre a essa visão, para que nós, como Paulo, não sejamos desobedientes à visão celestial no nosso pregar, no nosso falar, no nosso testemunhar, que o Senhor possa selar os nossos corações e ganhar os nossos corações com a visão de Cristo e da igreja. Te pedimos Pai em nome de Jesus, Amém.

Nenhum comentário: