Graça e Paz! Seja Bem Vindo!

Graça e Paz! Seja Bem Vindo!

Paginas

22 maio, 2017

O EVANGELHO DE CRISTO QUE SALVA O HOMEM (Paul Washer)


Vamos abrir nossas Bíblias na epístola aos Romanos, capítulo 3, nós leremos os versículos 23 a 27: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus. Onde, pois, a jactância? Foi de todo excluída. Por que lei? Das obras? Não; pelo contrário, pela lei da fé.”

Vamos orar ao Senhor. “Pai, eu me coloco diante do Senhor em nome do Teu Filho, eu sei que à parte de Jesus, eu não tenho nada contigo, mas eu sei que eu estou em Cristo, então eu peço em nome dele para que Tu fales ao Teu povo nesta noite, que Tu os ensines, para que ouçam, para que sejam conformados à imagem de Cristo e, Pai, para aqueles que estão aqui esta noite e não te conhecem, eu oro para que nessa noite nasçam de novo, para que eles possam ser tornados vivos pelo poder do Espírito Santo. Em nome de Jesus, amem.”

Por favor, assentem-se! Alguns anos atrás eu pregava em uma igreja na Irlanda, e durante o louvor todos cantavam de todo o coração, eles gritavam, literalmente, louvores ao Senhor. Mas quando eu abri as Escrituras e comecei a ensinar acerca de Jesus, eles ficaram entediados, perderam o interesse. Eles queriam apenas um Deus que os abençoassem, um Deus que os fizessem prósperos. Estavam mais preocupados com o que poderiam aprender de Deus, materialmente falando, e não espiritualmente falando. Amavam benção, mas não amavam o Abençoador. Eu espero coisas melhores pra vocês nessa noite. Enquanto estávamos cantando agora a pouco, um homem atrás de mim gritou com todos os seus pulmões, eu quase tive um ataque cardíaco, mas também me encheu de alegria, eu estava tão feliz. A Bíblia nos ordena para gritarmos ao Senhor. Amém. Mas o que eu anelo é o seguinte, que hoje à noite ao olharmos para a cruz, e quem sabe ao fazermos isso, aprenderemos algo sobre a cruz que ainda não sabemos, que nos leve a amar a Jesus, por quem Ele é, e o que Ele fez por nós, de forma que, mesmo que estivéssemos apodrecendo numa cadeia, morrendo de fome e de sede, ainda possamos cantar louvores ao Seu nome, porque amamos a Ele, por quem Ele é, e o que Ele fez. Se enquanto eu estiver pregando, você ficar desinteressado, só há duas possibilidades: Eu não estou pregando a verdade, ou a segunda, você não ama a verdade, você ama a excitação. Mas você ama a verdade? É a questão! Vamos começar. Romanos 3:23  “pois todos pecaram...” Todos pecaram. Para uma pessoa se tornar cristã ela precisa começar reconhecendo quão santo Deus é, e ela precisa enxergar quão terrível é o pecado. E, se você está verdadeiramente crescendo como cristão, você vai começar a odiar ao pecado mais, mais e mais. Se você confessa a Jesus como Senhor, mas você não está crescendo no seu ódio para o pecado, provavelmente você não é cristão. Então vamos contemplar o pecado por um momento para que nós vejamos como o pecado é feio. Nós precisamos entender quão belo, quão maravilhoso Deus é, por isso, uma das coisas mais importantes que podemos estudar na igreja, na Bíblia, são os atributos de Deus. Você já fez isso? Você conhece a Deus? Você pode abrir a sua Bíblia e me mostrar quem é Deus?  Quanto mais você enxerga dele, mais luz você terá e mais o pecado será exposto, mais você poderá confessá-lo, e mais limpo você se tornará. Precisamos ter o conhecimento de Deus porque o pecado é terrível. Quão terrível ele é? Adão pecou uma única vez e o universo todo foi lançado na corrupção. Quando você peca contra Deus, você não está pecando contra o prefeito de uma cidadezinha qualquer, ou até mesmo contra a presidenta do Brasil, você está desobedecendo o Deus do universo, você está levantando o seu punho cerrado no rosto dele. O pecado é terrível! Eu vou dar uma ideia pra vocês. No dia da criação, Deus ordenou às estrelas que se colocassem em certos lugares e todas O obedeceram. Ele ordenou aos planetas que se movessem em certas órbitas, e todos O obedeceram. Ele disse para as montanhas que se elevassem, e elas O obedeceram. E Ele disse para o mar: “Você chegará até aqui e daqui você não passa”, e o mar obedeceu a Deus. E aí Ele disse pra você pra que venha e você disse – “Não!” Você deveria ter medo do pecado. Vamos ver quão pecaminoso o homem é antes de Ele vir a Cristo. [...] Vamos para Gênesis por uns instantes. Capítulo 6, versículo 5. “Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração;“ No texto original ele enfatiza o fato do coração do homem ser continuamente ímpio. Eu quero aplicar isso aqui antes do pecador vir a Cristo. Antes de um ser humano vir a Cristo para ser salvo, todo o pensamento do seu coração desagrada a Deus, porque não é dirigido a Deus, para a glória de Deus. Se você está aqui nesta noite e você está sem Jesus Cristo, então nada do que você está fazendo é agradável a Deus. E tudo o que você faz só se soma pra sua condenação. Quão maligno é o seu coração? Ele diz aqui que ele é maligno continuamente. Você diz: “Ah, mas eu não acredito nisso!” Então vamos fazer um teste: Vamos dizer que aqui nesta noite eu pudesse extrair o seu coração, todos os pensamentos que você já teve na vida até ao presente momento, e eu pudesse colocar todos esses pensamentos num DVD e eu conseguisse projetar esses pensamentos num telão, você sairia correndo desse prédio e você nunca teria coragem de colocar a sua cara ali na porta de novo. Porque você já pensou coisas tão ímpias que você não pode sequer partilhar com seu amigo, sua amiga tão próxima. Você ficaria envergonhado diante de nós, embora nós sejamos iguaizinhos a você. Então, de que tamanho seria a sua vergonha? De que tamanho será quando você estiver diante de um Deus Santo um dia? Se esses pecados não estiverem cobertos, a sua vergonha será impossível de ser descrita. E quando Deus te enviar para o inferno, toda a criação ficará de pé e vai louvar a Deus porque Ele te julgou. Isso é sério gente! Isso é coisa pra gente pensar, é como câncer que mata o corpo. O pecado vai matar a sua alma pra sempre no inferno. Você está reto diante de Deus? Se você morrer nesse momento você tem segurança bíblica de que você estaria reto diante de Deus? O coração do homem é pecaminoso. Gênesis 8, versículo 21: “E o SENHOR aspirou o suave cheiro e disse consigo mesmo: Não tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade;” Pecado não é apenas alguma coisa que a gente faz, é algo que é parte de nós. A bíblia diz que o homem nasce em pecado.  Eu tenho noticias pra você: O seu bebê não é inocente, o seu bebê é um pecador! Seu filhinho, sua filhinha não é inocente, mas um rebelde. Eu ouço cânticos que são escritos hoje: “Se crianças apenas fossem as que nos liderassem o mundo teria paz”. Não! Nós entraríamos na terceira guerra mundial, isso sim! Eu posso provar isso. Pegue uma criança, cinco anos de idade, coloque-a numa sala e coloque todos os brinquedos que existem diante dela, deixe ela brincar com esses brinquedos até que você descubra quais os brinquedos preferidos dela. E você descobre um brinquedo que ela odeia por algum motivo, pegue o brinquedo que ela odeia e ponha na mão dela, ela joga. Dê pra ela de novo, ela atira de novo. Aí traga uma outra criança para aquele recinto, faça essa segunda criança sentar na frente da primeira e dê para essa segunda criança o brinquedo que aquela primeira criança odeia. E o que é que vai acontecer? Aquela primeira criança quer o primeiro brinquedo que até ali ela odiava. Ela não vai querer nenhum outro brinquedo e se ela tivesse força suficiente ela seria capaz de matar para obter aquele brinquedo. Você acha que eu estou exagerando? Leia os jornais. Nós somos pecadores rebeldes diante de Deus e nós não conseguimos nos libertar disso. Eu quero partilhar uma outra coisa com você. Eu quero contar uma história. Eu estava em uma igreja em uma certa feita e as pessoas estavam se levantando para dar seus  testemunhos. E aí uma pessoa diz: “O diabo me fez fazer isto”. E aí outra diz: “O diabo me fez fazer aquilo”. E eles continuaram falando sobre como o diabo estava fazendo deles meras vítimas. Aí eu me levantei pra pregar e disse para eles: “Quando eu estava chegando na igreja eu tive uma visão: Sentado lá nos degraus, antes de entrar na igreja*, o próprio diabo estava lá e ele estava chorando. E eu disse pra ele: Por que você está chorando? – “Porque todo esse pessoal está me culpando pelo que eles estão fazendo!” O diabo poderia tirar umas férias e ir lá para Aruba e você ainda estaria pecando, porque nós somos pecadores. É por isso que nós precisamos de Cristo. Você não precisa meramente de religião, você não precisa meramente de uma igreja, você precisa de um redentor que derramou o seu sangue por você e somente o sangue dele pode purificar você dos seus pecados. E apenas o Seu Espirito pode lhe dar poder sobre o pecado. [...] Livro de Isaías, capítulo 64, versículo 6. “Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam.“ Nós nos tornamos impuros, diz o texto. Essa palavra no hebraico pode se referir a coisas bastantes terríveis, uma delas é tão ruim que eu não posso nem sequer mencionar aqui, mas a outra é a lepra. Você já viu um leproso? A minha avó trabalhou com leprosos em Manaus, lá na década de 1930. Eu já tive em colônias de leprosos; é uma coisa terrível. Porque não apenas a carne apodrece, mas ela é cheia de infecção e de pus; ela cheira mau! Então vamos supor que tenha um leproso aqui nesta noite. Lá na rua já daria pra sentir o cheiro dele. Mas vamos supor que nós queremos fazer alguma coisa pra torná-lo mais apresentável. Então nós compramos a roupa mais caprichada que existe, branquinha, sem qualquer mancha. E nós o enrolamos nesse tecido branco. Por um instante ele vai parecer alguém apresentável. Mas o que vai acontecer? A corrupção do seu corpo vai vazar por aquele tecido branco. Isso é o que acontece quando uma pessoa tem uma religião sem Jesus. Ele recebe religião sem o Espírito Santo. Por um instante ele tem aparência bonita, mas a corrupção da sua alma vai ser externada eventualmente. É por isso que você não pode se salvar pelas suas boas obras, porque fora do sangue de Jesus o seu coração haverá de corromper tudo o que você fizer. É o que a Bíblia ensina. Vamos voltar à carta aos Romanos. “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”. O que isso significa? “Carecem da glória de Deus”(?) Significa o seguinte: Você não foi feito pra você mesmo, você foi feito para Deus. Você foi criado para a glória Dele. E o motivo porque este mundo está tão torcido, é porque o ser humano faz tudo para a sua própria glória. E essa é uma das ofensas possíveis contra Deus. Aliás, em Romanos, capítulo um, nós temos uma longa lista de pecados terríveis, mas o pior deles é o seguinte: “Embora conhecessem a Deus, eles não O glorificaram como Deus, nem Lhe foram gratos.” Fazer as coisas pra nossa própria glória significa almejar, tomar o lugar do trono de Deus - é praticar os atos do nosso pai, o diabo. E nós nos tornamos miseráveis, doentes. Mesmo para o cristão, você precisa entender o seguinte, porque mesmo como cristãos genuínos, podemos começar a viver pra nossa própria glória, e quando fazemos isto, nós fedemos. É pra Ele que temos que viver, tudo é pra Ele. Como João Batista disse: “Importa que eu diminua, Ele é que deve crescer”. Nós não somos nada, Ele é que é tudo, e nós queremos que seja assim. “pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”. Agora nós vamos chegar às boas novas, versículo 24. Ele está falando aqui sobre cristãos, verdadeiros cristãos. Eu quero alertar algumas coisas pra vocês: Mesmo nas melhores igrejas haverá membros que estão perdidos. São como joios semeados no meio do trigo. São como bodes no meio das ovelhas. Você percebe que talvez haja pessoas aqui entre nós nesta noite que não conhece a Cristo, embora sejam membros da igreja? Mas o que é pior, Cristo não os conhece! E aí você diz: “Irmão Paul, como é que eu vou saber?” Você está confiando somente em Cristo, ou você está confiando em si mesmo? Segundo, eles serão conhecidos pelos seus frutos que demonstram. Você ama o mundo? É porque você é do mundo! Você gosta de estar com os ímpios? É porque você é ímpio! E você pode esconder do melhor dos profetas, mas você não consegue esconder isso de Deus! Examine-se! Aonde você está nesta noite? Você está usando uma máscara? Você já enganou todo o mundo na igreja, mas você não enganou a Deus! O Espírito dele sonda você e Ele conhece você! Mas para o verdadeiro cristão Ele diz no versículo 24: “Sendo justificados gratuitamente por Sua graça”. O que significa ser justificado? Você reconhece que esse é um dos conceitos mais importantes da Bíblia? O que significa? Eu vou dizer o que não significa. Não significa o seguinte: Não significa que a pessoa que crê em Jesus, no momento em que crê ele se torna uma pessoa perfeitamente justa, ele é totalmente transformado que ele  nunca mais peca. Não é o que significa essa palavra, porque mesmo crentes ainda pecam. Mesmo que já tivéssemos sido tremendamente transformados, ainda teremos que lutar contra a carne, e contra o mundo e contra o diabo. Então o que 'justificado' significa? É um termo jurídico, é um termo forense. Significa o seguinte e é maravilhoso: No momento em que o pecador verdadeiramente crê em Cristo, do trono de Deus, Deus declara que essa pessoa está juridicamente reta diante Dele pra sempre, e Deus trata essa pessoa como juridicamente reta, justa. Não apenas isso, você sabe que Jesus morreu por você, mas você sabia que Ele vive por você? “Sim, eu sei que Ele ressuscitou dos mortos”. Não, estou falando de outra coisa. Jesus viveu uma vida perfeita diante do trono de Deus. No momento que uma pessoa crê em Jesus, ela é declarada juridicamente reta, justa diante de Deus e a vida perfeita que Jesus viveu é imputada, é creditada a essa pessoa. Esse crente se torna vestido com a justiça de Cristo. Eu não estou falando do pastor aqui, eu estou falando do novo convertido. No momento em que você crê em Cristo, você é declarado reto diante de Deus, você é tratado como justo diante de Deus e você é vestido com a perfeita vida que Jesus viveu, porque Jesus é maior do que José. Por que eu disse isso? José tinha uma túnica de muitas cores que ele não estava disposto a partilhar com seus irmãos, mas Jesus tem uma túnica de justiça infinita e Ele veste cada um dos seus irmãos e irmãs com essa túnica de justiça. [...] Vocês conseguem imaginar, você está vestido na justiça de Cristo! É absolutamente maravilhoso! Jeová é escudo e esse escudo é a justiça de Cristo! Quando você olha para vida cristã, você tem que olhar para essa vida com a ideia de esfera, círculos. Você estava em Adão, você estava na condenação, você estava na morte, você estava na corrupção, mas agora você está em Cristo, você está em justificação, você está na vida, você está na justiça, você está livre e você é amado. [...] É maravilhoso! É por isso que nada poderá nos roubar de nosso gozo. Eu estou salvo! Eu fui declarado justo, é absolutamente maravilhoso! Mas veja o versículo 24, como é que nós somos justificados? Como uma dádiva - “Gratuitamente por sua graça”, diz o texto. Isso é quase redundância, é como se ele tivesse repetindo o que ele tem a dizer. Por quê? É porque é difícil para nós aceitarmos, crermos, que uma salvação tão grandiosa pudesse ser de graça. Mas também por causa do nosso orgulho. O homem quer se salvar sozinho. Sabe por quê? Porque ele quer ser maior do que Deus, ele quer trabalhar na salvação, ele quer ganhar a salvação de forma que Deus se torne o seu devedor. “Deus, Tu me deves!” Deus te deve apenas uma coisa: o inferno! É isso o que você conseguiu ganhar. Uma vez eu estava orando na frente de uma igreja, havia várias pessoas ali e um jovem chegou ao meu lado e ele estava orando e ele disse: “Deus, eu quero só que o Senhor me dê o que eu mereço”. Eu peguei, agarrei ele, eu virei a cabeça dele para o outro lado e eu disse para ele: “Nunca ore assim de novo, porque tudo o que você merece, meu jovem, é o inferno!” Misericórdia é quando Deus não nos dá o que nós merecemos. “Justificados gratuitamente”. Essa expressão “gratuitamente” é traduzida na palavra no grego “Dórean”. Essa palavra é importante porque ela é usada em outra passagem e ela nos dá uma ideia do que Paulo está escrevendo. No evangelho de João existe uma profecia do Antigo Testamento que diz o seguinte: “Eles me odiaram sem motivo” (Jo 15:25). O texto está se referindo a Cristo que, aqueles que O odiavam, não tinham motivos para odiá-Lo. Jesus jamais deu um motivo pra quem quer que seja odiá-Lo. A mesma palavra é usada aqui e significa o seguinte: Você nunca deu a Deus um motivo, uma razão para te salvar, você só deu para Deus motivos para te condenar. Mas Ele te salvou não por causa de você, mas a despeito de você. Em Deuteronômio 7, ele usa uma frase para trazer para nós um pensamento muito forte e o que acontece nesse texto é o seguinte, é como se Israel tivesse perguntado a Deus: “Por que o Senhor nos amou?” E Deus responde: “Eu te amei porque eu te amei”. E o que Ele está dizendo é o seguinte: “Não teve nada haver com você, teve tudo haver comigo, quem Eu sou!” Isso é fantástico, é absolutamente lindo! Nós somos como aquele bebê que o profeta fala que está ao lado da estrada, completamente abandonado, esperneando, que está, na verdade, se arrastando no seu próprio sangue, um bebê abandonado, simplesmente esperneando ao lado da estrada, coberto de sangue. As pessoas passam por ele, ninguém quer aquele bebê e por um bom motivo: ele é repugnante! Todos passam por ele, e aí Deus chega e Ele aponta e Ele diz: “Esse nasceu em Sião, eu escolhi este para mim mesmo e eu vou limpá-lo, purificá-lo, e eu o cobrirei com veste de justiça e ele será uma beleza para o mundo inteiro contemplar”. Meus queridos, isso é graça! Não há motivo pelo qual Deus deveria ter salvo você, mas Ele O fez por Ele mesmo. Mas agora nós chegamos ao maior problema existente na Bíblia. Eu não estou exagerando. Eu vou dizer para vocês o que a Bíblia toda diz respeito, a razão para tudo. Qual é? Eu vou dar algumas ilustrações antes de responder. Uma vez eu estava com um grupo  de universitários, eu estava ensinando a Bíblia e eles estavam rindo. Então eu quis captar a atenção deles, eu disse: “Alunos, preparem-se! Eu vou contar para vocês a verdade mais aterrorizante que existe na Bíblia. Ela é tão aterrorizante que talvez alguns de vocês até deveriam sair antes de eu falar, porque vocês não vão ter a capacidade de arcar com o que eu vou falar. Estão prontos?” Eles disseram: “Sim!” Eu disse: “Tudo bem, é o seguinte: A verdade mais aterrorizante da Bíblia - Deus é bom! Pense!” Eles começaram a rir... “Isso aí são boas noticias, qual é o problema com esta noticia? Qual é o problema com isso?” -“Ouçam o que eu estou dizendo: Deus é bom e você não é, então o que um Deus bom faz com gente como você, se Ele é bom? Ele precisa julgar pessoas assim e lançá-los no inferno!” Agora ouçam o seguinte: Suponhamos que você vá para casa nesta noite e alguém matou toda a sua família, e o assassino ainda está lá no recinto com sangue nas mãos, você vê, você o agarra,  você consegue dominá-lo, jogá-lo no chão, você o amarra, você chama a policia e a policia o leva preso. Mas certo dia ele chega ao tribunal, ele está diante do juiz e ele é completamente culpado e o juiz olha para ele e diz o seguinte: “Eu sou um juiz muito amável e eu sou cheio de compaixão, e então você está livre para ir, eu te perdoo vá!” Como é que você vai reagir a isso? Você vai dizer que aquele juiz era bom? Não, você vai dizer que aquele juiz é corrupto. Esse é o problema no meu país e no seu? Nós dizemos que os juízes são corruptos, eles não trazem justiças às pessoas, um juiz deve fazer o que é correto. Você já leu Provérbios 17:15, sabe o que diz: “O que justifica o perverso é abominável ao Senhor.” Pense, a palavra de Deus não pode ser violada. Em Romanos 3, nós estamos muito felizes com o que vimos. Por quê? Porque vimos ali que Deus justifica o ímpio, mas em Provérbios 17, diz que qualquer um que justifica o perverso é uma abominação ao Senhor. Então como é que nós fazemos as duas coisas conjuminarem? Esse é o maior problema da Bíblia. O evangelho é a respeito disso. Se Deus é justo, Ele não pode perdoá-lo. Eu já ouvi evangelistas dizerem o seguinte: “Em lugar de Deus ser justo com você, Deus foi amável, amoroso.” Esse é um problema - então o amor de Deus é injusto? Deus tem que ser justo mesmo quando Ele é amoroso. Ele precisa manter sua justiça, e como é que Ele consegue fazer isso? Ou como Paulo diz aqui, como Ele pode ser justo e o justificador do ímpio? A resposta se encontra em duas palavras, “redenção”, e no versículo 25 “propiciação”. Redenção, o que significa? Significa pagar um preço para libertar um cativo, para libertar um escravo. Quem é o escravo? Nós somos! Quem é a redenção? Jesus é o Redentor e a sua própria vida é o preço do resgate. Mas a pergunta é a seguinte: Para quem Ele pagou esse resgate? Havia um grande fariseu na igreja primitiva que dizia que Jesus morreu para pagar ao diabo, e essa heresia continua hoje. Isso não é bíblico! A verdade é que o resgate nos liberta dos poderes do diabo, mas não pagando ao diabo. Para quem Ele fez o pagamento? Ele fez o pagamento ao próprio Deus. O que você precisa entender é o seguinte: A justiça de Deus exigia satisfação por todos os crimes que você cometeu, e já que você não tinha como satisfazer a justiça de Deus, você estava debaixo da lei, condenado. E, nesse sentido, o diabo tinha poder sobre você. Mas Cristo, quando morreu, o pagamento foi feito para satisfazer a justiça de Deus e, para o povo de Deus, a justiça foi totalmente satisfeita até ao último centavo. Então o pagamento foi feito a Deus. Então veja o que você precisa entender: Quando o pagamento foi feito a Deus, a justiça de Deus foi satisfeita. Mas, o que mais? A ira do Deus todo poderoso foi pacificada de forma que o que crê jamais experimentará novamente a ira de Deus, e mesmo quando Deus disciplina o crente, e Ele fará isso, Ele o fará em amor e nunca em ira. Vamos continuar, nós estamos chegando na parte mais importante. “A quem Deus propôs no seu sangue como propiciação”. Propiciação é um sacrifício que satisfaz a justiça e a torna possível um Deus justo perdoar o pecador e ainda continuar justo porque o próprio Deus fez o pagamento. Eu quero que vocês entendam a cruz. Pense no seguinte: Jesus está na cruz, Ele clama: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Ouçam o que Ele está dizendo: Jesus está dizendo que Deus O abandonou. O que isto significa? Marque aqui em Romanos 3, e vamos rapidinho para o livro de Salmos 22, versículo 1. “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que se acham longe de minha salvação as palavras de meu bramido?” Está vendo? Jesus clama na cruz as palavras do Salmista - a reclamação dele, digamos. “Por que me desamparaste?” Versículo 2: “Deus meu, clamo de dia, e não me respondes; também de noite, porém não tenho sossego.” Por quê? Versículo 4, ele dá um argumento. “Nossos pais confiaram em ti; confiaram, e os livraste.” Não houve um momento sequer que um justo clamou ao Senhor – está dizendo o salmista -, que o Senhor não ouviu. “Mas eu sou o Teu Filho e eu clamo ao Senhor e Tu me abandonaste!” Por quê? Quais as respostas? Versículo 3: “Contudo, tu és santo, entronizado entre os louvores de Israel.” Versículo 6: “Mas eu sou verme e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo.” Quando Cristo estava sobre a cruz, todos os pecados do Seu povo foram atirados sobre os ombros Dele. Você e eu somos ímpios por nós mesmos, não somos santos, e por causa disso nós estávamos separados de Deus. Para terminar com essa separação alguém tinha que morrer no nosso lugar, separados que estávamos de Deus. Jesus então carregou os nossos pecados e Ele foi separado de Deus em nosso lugar. Lembra-se de justificação, o que significa? No momento em que cremos em Cristo, Deus nos declara legalmente justos diante dele, mesmo que continuemos imperfeitos, mesmo que continuemos pecando. Deus nos declara perfeitamente justos, retos diante dele e Ele nos trata perfeitamente retos diante dele. Como é que Ele faz isso? Porque na cruz Ele legalmente declarou Jesus culpado e Ele tratou Jesus como culpado. Ele se separou do Seu único Filho amado e aí Deus amassou o Seu Filho debaixo da força total da sua ira. Toda ira que deveria ser derramada sobre você foi derramada sobre o Filho. Você já leu em Isaías? “A Deus agradou moê-Lo”. Vocês se lembram de Jesus no Getsêmani? Ele orou três vezes: “Passa de mim esse cálice.” Que cálice era esse? Muitos pensam se referir a cruz romana, ou ao chicote, ou a coroa de espinhos. Não! Depois que Jesus ressuscitou dos mortos, os próximos trezentos anos, milhares de cristãos foram crucificados e o testemunho da história é que eles iam para a cruz cantando hinos com muito júbilo. Então você vai me dizer que crentes foram crucificados com alegria, mas o Capitão da salvação deles está orando no jardim, está suando gotas de suor mistos com lágrimas, será que Jesus tinha medo de uma cruz romana? Não! Então o que é que Ele estava pedindo? Vá para casa, procure a palavra “cálice” e você vai achar no livro de Salmos e na profecia de Jeremias, especialmente, que o cálice representa a ira do Deus todo poderoso. O texto é mais ou menos o seguinte: Por causa da impiedade da rebelião das nações, eu forçarei as nações a beberem o cálice da minha ira e eles vão simplesmente ser destruídos, eles vão morrer! Na cruz, Jesus bebeu esse cálice, o cálice da ira de Deus, e Ele o bebeu e quando se virou esse cálice, não sobrou uma gota sequer, porque Ele bebeu esse cálice completo pelo Seu povo, e agora nós estamos livres da ira de Deus. Para fazer isso, Jesus tinha que ser homem, porque o sangue de touros e bezerros não podem trazer perdão para os nossos pecados, mas para pagar aquele preço tinha que ser mais do que um mero homem. Por quê? Ele tinha que ser Deus. Por quê? Porque apenas Deus é Salvador e Ele não partilha desse titulo com quem quer que seja. Se Jesus é nosso Salvador, então Jesus é perfeitamente Deus. Por que mais Ele seria Deus? Reconhecendo quão pecadores nós somos, você confiaria em outra pessoa para te salvar a não ser Deus? Outro motivo: Quem pode arcar com o peso da ira de Deus e novamente se levantar? Ele tinha que ser divino. Ele sofreu a ira de Deus como homem e a divindade dele não fez como que a coisa fosse mais fácil: a sua divindade O manteve pra que Ele pudesse continuar sofrendo a ira de Deus no seu todo. Por que Ele tinha que ser Deus? [...] Como é que um homem pode sofrer algumas poucas horas na cruz e salvar com isso uma multidão de homens de uma eternidade no inferno? Como é que Ele consegue fazer isso? O motivo é o seguinte: Porque esse tal homem, Ele valia mais do que todos os homens somados. Ele é o Salvador de valor infinito, e assim que Ele morreu por nós, bem antes dele morrer, Ele disse: “Está consumado!” É um termo de negócios; completamente pago, quitado. No terceiro dia (gente, eu não preguei o evangelho ainda não, porque se nós tivéssemos um Salvador morto, nós não temos Salvador), no terceiro dia, Ele ressuscitou dentre os mortos. Romanos nos diz que isso foi a declaração pública de Deus que Jesus é o Seu Filho – Romanos um, Romanos quatro. A ressurreição de Cristo é a declaração pública de Deus que Ele aceitou o pagamento de Cristo em nosso favor. Livro de Atos diz que a ressurreição de Jesus Cristo é a declaração de Deus que não somente esse mundo tem um Salvador, Ele tem um Rei e Ele tem um Juiz. O que significa você e eu separados de Deus, mesmo agora nesta terra, embora tenhamos sido reconciliados, embora sejamos filhos de Deus, nós ainda não experimentamos toda a glória que nos aguarda. Então como é que nós sabemos que essa glória nos aguarda? Voltamos ao livro de Salmos e nós vamos terminar aqui. Nós sabemos haver uma ressurreição porque Ele ressuscitou, e nós sabemos que iremos ascender à glória porque Ele ascendeu à glória. Quando Ele ressuscitou dos mortos, quatro dias mais tarde, quarenta dias depois, Ele subiu aos céus, à plenitude de Deus, sim, mas nunca se esqueça: perfeitamente homem também. Nosso irmão, nossa carne, sim, nossa carne, nosso irmão, veja o que Ele fez como Deus - é o que eu quero enfatizar -, Ele fez isto como homem. Ele ascende aos céus, Ele chega aos portais da glória e o que Ele grita é o seguinte, Salmo 24:7 “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória.” Todo o céu estremeceu nesse momento, os anjos estão correndo para as muralhas, eles estão procurando: “Quem é este?” Veja o que o texto diz, versículo 8: “Quem é o Rei da Glória?” Eles estão fazendo uma pergunta: “Que homem chegou até aqui, que homem ousaria clamar para estes portais, quem ousaria tocar no fecho desta porta, ninguém chegou até aqui até agora, ninguém jamais clamou antes e nunca ninguém ordenou. Quem é este Rei da glória?” E Jesus estica sua cabeça e diz: “O SENHOR, forte e poderoso, o SENHOR, poderoso nas batalhas. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, porque o Rei da Glória chegou!” Glória a Deus! O Rei chegou e aqueles portais se escancararam. E pela primeira vez em todo o tempo e toda a história ali estava um homem. Ele não estava ali por graça, Ele estava ali porque Ele ganhou esse direito. Ele mereceu aquilo, e todos os anjos se curvaram diante dele, e sem sequer pedir, Ele vai direto ao trono de Deus e Ele se assenta à direita do Seu Pai, e aí é o Pai que diz: “Está consumado!” E Jesus responde: “Está consumado sem sombra de dúvida!”. Ele fez isso para a glória de Deus e Ele fez isso por você! O que é que Deus tem a dizer sobre tudo isto? Ele ordena, Ele não pede – Ele ordena –, que todos os homens em toda a parte se arrependam, que eles reconheçam a sua rebelião contra Deus, que eles joguem fora suas armas nesta luta contra Deus e que eles confiam somente em Cristo Jesus. E aqueles que o fizerem herdarão a vida eterna, e aqueles que não o fizerem são jogados numa eternidade de inferno. Onde você está? Como você está? Você diz que você é um cristão, eu espero que você seja. Mas eu quero dizer o seguinte para você: Jesus disse que no dia do juízo “muitos chegarão diante de mim e dirão: “Senhor, Senhor”, e Ele dirá para essas pessoas “apartai-vos de mim, eu nunca vos conheci”. Eu poderia chegar à casa branca e pegar aqueles portões e tentar entrar à força – é claro que a policia vai me prender -, e se eu disser pra policia, “Espere aí, eu conheço o presidente”, ainda assim eles vão me prender - eu estou condenado -, a menos que o presidente venha e ele diga: “Eu conheço o Paul Washer”. Na verdade não faz diferença você dizer “Eu conheço o Rei”, a questão é: O Rei conhece você? Como é que eu posso saber então se eu O conheço? Quando você confia em nada mais, simplesmente em Cristo. [...] Se alguém chegar num verdadeiro cristão e disser o seguinte “Ah, você é um homem tão bom, você tem tantas boas obras...Ah, eu tenho certeza que você vai chegar no céu!” Sabe como é que esse cristão vai responder? Ele vai vomitar, ele vai ficar tão enojado com aquilo que ele acabou de ouvir e ele diz: “Não! Não, de forma alguma! Eu vou para o céu não por causa dos meus méritos, da minha virtude, mas por causa do mérito e da virtude de Jesus Cristo, meu Senhor! Todas as minhas boas obras são como trapos imundos. Eu confiei somente em Cristo!” Uma outra forma de você saber: “Vós o conhecereis pelos seus frutos.” Como é que está o seu coração? Como é que você está andando? Você vem a esta igreja, mas você vive em fornicação? Você vem a esta igreja, mas você está cheio de sensualidade e pornografia? Cheio de mentiras? Cheio de avareza? Cheio de ira? Tenha medo porque mesmo uma boa igreja não pode te salvar. Só Jesus Cristo pode te salvar e a evidência de que Ele te salvou é que Ele continua te transformando e transforma você dia a dia. Aquele que começou boa obra em vós continua operando. Alguns acham que a salvação é como uma vacina que a gente toma. “Pastor eu vou para o céu porque eu me arrependi muito tempo atrás, porque eu cri lá atrás, porque muito tempo atrás eu pedi que Jesus entrasse no meu coração”. Se você realmente se arrependeu muito tempo atrás, você ainda está se arrependendo hoje. Se você realmente creu muito tempo lá atrás, você está crendo ainda mais hoje. Você crescerá no seu arrependimento e na sua fé, você vai crescer na esperança e não creia na mentira de que só porque você fez uma oração você vai para o céu, porque nós somos salvos por arrependimento e fé. Esse é o evangelho, esse é o evangelho. [...]
 “Pai eu peço que Tu tomes a tua palavra e tu converta vidas, mas eu peço que Tu tomes a Tua palavra e Tu fortaleças os verdadeiros crentes. Em nome de Jesus. Amém.”


                                             
                                                   Soli Deo Glória
-----------------------------------------------------------------------------
Notas:

Transcrição: Levi Cândido

*A melhor expressão seria “no templo”.(Nota do editor do blogger)



É permitido copiar e compartilhar, desde que citada a fonte :
O Evangelho de Cristo que salva o homem (Paul Washer) Blog: Importa Renascer
  
                                   Que o Senhor seja glorificado. Amém!

19 abril, 2017

O VÉU RASGADO: ACESSO A DEUS


“E Jesus, clamando outra vez com grande voz, rendeu o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras” “Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus, Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne, E tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa” (Mateus 27:50-51; Hebreus 10:19-22)

O rasgar de um véu tão forte e espesso não foi um milagre ruim; a intenção não era uma simples demonstração de poder – há muitas lições aqui para nós. A antiga lei das ordenanças foi posta de lado como uma roupa desgastada, rasgada e descartada. Quando Jesus morreu, acabaram todos os sacrifícios, porque todos foram cumpridos nele e, assim sendo, o lugar onde eram apresentados ficou marcado como um símbolo evidente de ruína. O rasgo também revelou todas as coisas escondidas do antigo decreto: o altar agora podia ser visto e a glória de Deus brilhava sobre ele. Pela morte de nosso Senhor Jesus temos uma clara revelação de Deus, pois Ele não é “como Moisés, que punha véu sobre a face”. A vida e a imortalidade agora foram trazidas à luz, e coisas que estavam escondidas desde a fundação do mundo são manifestadas nele. A cerimônia anual da expiação estava agora abolida. O sangue da expiação, que a cada ano era aspergida no véu, foi oferecido definitivamente pelo grande Sumo Sacerdote e, portanto, o lugar do ritual simbólico foi quebrado. Já não é necessário o sangue de novilhos ou cordeiros, pois Jesus entrou no véu com Seu próprio sangue. Por isso, o acesso a Deus é agora permitido, e é privilégio de cada crente em Cristo Jesus. Não foi aberto um pequeno buraco por onde podemos expiar o altar, pois o rasgo foi de alto a baixo. Podemos nos achegar com ousadia ao trono da graça celeste. Erraremos ao dizer que aquela abertura do Santo dos Santos, dessa forma maravilhosa, pelo grito de morte de nosso Senhor, foi a abertura dos portões do paraíso para todos os santos, por força da Paixão? Nosso ensanguentado Senhor tem a chave do céu; Ele o abriu e ninguém fechará; (Entramos) com Ele nos lugares celestiais e lá nos (assentamos) com Ele, até que nossos inimigos comuns estejam sob Seus pés.

26 março, 2017

O Escândalo da Cruz por T. Austin-Sparks

“Eu, porém, irmãos, se ainda prego a circuncisão, por que continuo sendo perseguido? Logo, está desfeito o escândalo da cruz” (Gal. 5:11).

Fica perfeitamente obvio o fato de que onde quer que a Cruz do Senhor Jesus Cristo tenha sido mais fielmente pregada e apresentada (embora trazendo esperança e vida nova a muitos) tem sido quase invariavelmente a causa de problemas.
Onde quer que tenha ido tem despertado antagonismo. Como foi uma pedra de tropeço para os judeus e um ridículo para os gregos nos primeiros dias, assim, desde então, tem sido inaceitável, não somente para o homem do mundo como tal, mas para as comunidades religiosas também.
Isto nós, afirmamos resolutamente ser tão verdadeiro hoje como nunca, a despeito do fato de que é o simbolo mais popular no mundo. Dificilmente existe uma cidade na cristandade onde a arquitetura, galerias de arte, coleção de literatura, conservatórios de música e instituições religiosas, não declarem ao mundo uma certa consideração e honra por este sinal sagrado.
Até é achado necessário em certas fases de algumas empresas missionárias hoje, eliminar dos livros didáticos a menção da Cruz para que não ofendam.
Grande parte da pregação e ensino na igreja cristã ou é confinada ao “Jesus Histórico” que apresenta um Cristo sem Cruz, ou dá um significado extremamente modificado à Sua morte.
E todavia é certamente necessário se livrar da Bíblia antes de que possamos nos livrar do fato de que se une em todas suas partes para declarar que a Cruz é o caminho da salvação de Deus, o suficiente e único caminho de Deus.
Fica, ainda mais, certamente muito claro que a Cruz tem provado ser o meio pelo qual Deus fez depender todo o peso do Seu grande poder salvador. Foi dominante nos dias do Novo Testamento. A recuperação ou re-ênfase sobre algumas fases vitais e essenciais dessa Cruz deu lugar a semelhantes movimentos como são representados pelos nomes de Lutero, Moody, Finney, Jonathan Edwards, Withfield, os Wesleys, Spurgeon, e muitos outros homens especialmente honrados de Deus.
Agora perguntamos, por que a Cruz tem sido sempre semelhante criadora de problemas e semelhante causa de escândalo? E por que é que hoje está por trás de tanta reviravolta mesmo nas muitas das nossas instituições evangélicas professas, e denominações, lares cristãos, igrejas locais e vidas cristãs individuais?
Isto procuraremos responder, mas primeiro vamos discriminar. Não são os heroicos da Cruz ou estéticos que causam o problema.
Sacrifício, sofrimento, devoção altruísta, serviço modesto para o bem dos outros, suportando a pena de colocar a si mesmo contra o mal atual dos tempos, etc; estes são elementos românticos e são explorados como os temas pelos que multidões são capturados e cativados.
É o significado mais profundo que a Bíblia dá à Cruz que causa a agravação, isto pode ser visto em uma ou duas aplicações claramente definidas.


1. A Cruz condena o mundo.


Em Sua Cruz, Cristo criou uma grande divisão entre o mundo velho e o novo, uma divisão que não pode ser ultrapassada.
Dois distintos sistemas diferentes, escalas de valores, padrões de julgamento, conjuntos de leis, prevalecem nos dois lados da Cruz, o sistema de cada um não é somente inteiramente diferente mas irreconciliável e para sempre antagonístico o um ao outro.
A Cruz demanda uma absoluta distinção de interesses, e objetivos, relacionamentos e recursos.
Tira a distinção final dentre o salvo e o não salvo, dentre o vivente e o morto.
A Palavra de Deus enfaticamente declara que os tempos são maus, e que “o mundo inteiro jaz no maligno”, e que suas formas, motivos, propósitos, ideias, imaginações, são todas opostas às de Deus e que é também totalmente incapacitado de receber a revelação da mente divina, crescer por si mesmo até a imagem divina, desfrutar e apreciar comunhão real com Deus, ou ser confiado com o privilegio da cooperação com Deus.
Estas são somente a consciência, capacidades, relacionamentos, do recentemente nascido ou alma regenerada. É este veredito, condenação, e demanda da Cruz que é inaceitável e irritante para uma maioria muito grande de até mesmo cristãos professos. Além do mais, é a presença em grande parte do que é chamado “mundanismo” tanto na vida cristã individual e na igreja que absolutamente neutralizam suas eficácias na realização dos propósitos essenciais da Cruz.


2. A Cruz condena a carne.


A Palavra de Deus declara que “nosso velho homem tem sido crucificado com Cristo”. “Um morreu por todos, logo todos morreram Nele, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos mas para Ele”. Temos tentado trazer um pouco da vida da velha criação para a nova criação e Deus não a terá. A história da raça caída foi concluída tanto quanto se referiu a Deus no Calvário. A partir desse momento em diante, o inteiro interesse de Deus foi a nova criação, mas tanto nossas capacidades humanas como nossas enfermidades, o que chamamos nosso melhor lado humano, como nosso pior, nossa bondade e nossa maldade, têm sido inclusas nessa morte. Doravante somos chamados a viver não num nível humano mas num divino. Humanamente não possuímos nada que seja aceitável para Deus. É sempre a asserção de algum elemento humano, algum gosto ou desgosto, modismo ou capricho, alguma ambição, algum interesse pessoal, que paralisa a real obra espiritual de Deus. Considerar não somente nossos pecados mas nós mesmos como tendo sido levados à Cruz por Cristo é a única maneira pela qual os propósitos de Deus podem ser operados através de nossas vidas. É estranho que embora nós mesmos sejamos a ruína de nossa própria existência, o problema de nossas próprias vidas, sejamos tão lentos para aceitar nossa crucificação com Cristo, ter a Cruz forjada para nossa morte a fim de que a vida de Cristo seja manifesta em nós. Aqui contido jaz o escândalo da Cruz, não somente para o mundano mas também para o cristão.

3. A Cruz expulsa o diabo.


Talvez, aqui tocamos a mais profunda causa do escândalo, pois o mundo e a carne são apenas instrumentos e armas pelas que a grande jerarquia de Satanás mantém seu domínio e sua existência como a força controladora. Cristo disse, enquanto Ele se aproximava à Cruz, “agora é o príncipe deste mundo expulso”, Paulo refletindo sobre essa Cruz disse que por ela “Cristo despojou principados e potestades, publicamente os expondo ao desprezo, triunfando deles na cruz”. É perfeitamente natural, então, que a grande jerarquia, por todos os meios e recursos, procure fazer a Cruz sem efeito nenhum. Pelo “tom pálido” irá diluir a mensagem da Cruz; empurrando os métodos do mundo dentro, seus meios, seu espírito. Irá tocar a vitalidade espiritual da Igreja; ao instigar a carne, o ego e o velho Adão, irá causar separação, tensão e desintegração; ou ao dar muita importância ao elemento humano em seu lado artístico, estético, heroico, humanitário, ficará cego para a necessidade da regeneração. Reputação, popularidade, grandeza, o padrão de sucesso do mundo, são todos contrários ao espírito de Cristo, mas eles são os brinquedos com os que o inimigo absorve a mente de muitos, mesmo de ministros cristãos. Se, portanto, a Cruz é pregada em sua vitória total e emancipação do mundo, a carne e o diabo, é de se esperar que de um jeito ou de outro as forças inteligentes do mal utilizem todos os meios para pará-la, e provocar toda causa de escândalo para o colocar na conta da Cruz.
Para concluir não esqueçamos que o gozo da vida plena de Deus, a experiência da vitória, e cooperação executiva com Ele que se assenta no Trono na certa realização de que Seus propósitos eternos são nossos apenas na medida em que somos um com o completo e essencial significado da Cruz como apresentada na palavra de Deus. “tenho sido crucificado com Cristo, doravante... não mais eu mas Cristo”. “Eles venceram por causa do sangue do Cordeiro, e por causa da palavra dos seus testemunhos, e mesmo em face da morte, não amaram a própria vida”.


Primeiramente publicado na revista “Uma Testemunha e Um Testemunho” Jan-Fev 1932 Vol. 10-1

08 março, 2017

A Cruz é uma Coisa Radical (A. W. Tozer)


“Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome sua cruz e siga-me.” (Mateus 16:24)

A cruz de Cristo é a coisa mais revolucionária que já apareceu entre os homens. Depois que Cristo ressurgiu dos mortos, os apóstolos saíram a pregar a sua mensagem, e o que pregaram foi a cruz. E por onde quer que fossem pelo mundo levavam a cruz, e o mesmo poder revolucionário ia com eles. A mensagem radical da cruz transformou Saulo de Tarso e o mudou de perseguidor dos cristãos em um terno crente e um apóstolo da fé. Seu poder mudou  homens maus em bons. Sacudiu a longa escravidão do paganismo e alterou completamente toda a perspectiva moral e mental do mundo ocidental. Fez tudo isso, e continuou a fazê-lo enquanto se lhe permitiu permanecer como fora originalmente, uma cruz. Seu poder se foi quando foi mudado de uma coisa de morte para uma coisa de beleza. Quando os homens fizeram dela um símbolo, penduraram-na nos seus pescoços como ornamento ou fizeram o seu contorno diante dos seus rostos como um sinal mágico para protegê-los do mal, então ela veio a ser, na melhor expressão, um fraco emblema, e na pior, um inegável feitiço. Como tal é hoje reverenciada por milhões que não sabem absolutamente nada do seu poder. A cruz atinge os seus fins destruindo o modelo estabelecido, o da vítima, e criando outro modelo, o seu próprio. Assim, ela tem sempre o seu método. Vence derrotando o seu oponente e lhe impondo a sua vontade. Domina sempre. Nunca se compromete, nunca faz barganhas, nunca faz concessão, nunca cede um ponto por amor da paz. Não se preocupa com a paz; preocupa-se em dar fim à sua oposição tão depressa quanto possível. Com perfeito conhecimento disso tudo, Cristo disse: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome sua cruz e siga-me. Assim a cruz não só põe fim à vida de Cristo, como termina também a primeira vida, a velha vida, de cada um dos Seus seguidores verdadeiros. Ela destrói o velho modelo, o modelo de Adão, na vida do crente, e lhe dá fim. Então o Deus que levantou a Cristo dos mortos levanta o crente, e uma nova vida começa. Isso, e nada menos que isso, é o cristianismo verdadeiro, embora não possamos senão reconhecer a aguda divergência que há entre esta concepção e a sustentada pelo tipo comum de cristãos conservadores hoje. Mas não ousamos qualificar a nossa posição. A cruz ergue-se muito acima das opiniões dos homens e a essa cruz terão que vir afinal para julgamento. Uma liderança superficial e mundana gostaria de modificar a cruz para agradar os religiosos maníacos por entretenimento que querem divertir-se até mesmo dentro do santuário; fazê-lo, porém, é cortejar a tragédia espiritual e arriscar-se à ira do Cordeiro feito Leão. Temos que fazer alguma coisa quanto à cruz, e só podemos fazer uma destas duas: fugir ou morrer nela. E se formos tão temerários que fujamos, com este ato estaremos pondo fora a fé vivida por nossos pais e faremos do cristianismo uma coisa diferente do que é. Neste caso, teremos deixado somente o vazio linguajar da salvação; o poder se irá juntamente com a nossa partida para longe da verdadeira cruz. Se somos sábios, faremos o que Jesus fez: suportaremos a cruz e desprezaremos a sua vergonha pela alegria que está posta diante de nós. Fazer isso é submeter todo o esquema da nossa vida para ser destruído e reconstruído no poder de uma vida que não se acabará mais. E veremos que é mais que poesia, mais que doce hinologia e elevado sentimento. A cruz cortará fundo as nossas vidas onde fere mais, não nos poupando nem a nós mesmos nem as nossas reputações
cultivadas. Ela nos derrotará e porá fim as nossas vidas egoístas. Só então poderemos elevar-nos em plenitude de vida para estabelecer um padrão de vida totalmente novo, livre e cheio de boas obras. A modificada atitude para com a cruz que vemos na ortodoxia moderna prova, não que Deus mudou, nem que Cristo afrouxou a Sua exigência de que levemos a cruz; em vez disto, significa que o cristianismo corrente desviou-se dos padrões do Novo Testamento. Para tão longe nos desviamos que nada menos que uma nova reforma restabelecerá a cruz em seu lugar certo na teologia e na vida da igreja.



Fonte: O Melhor de A W. Tozer, Editora Mundo Cristão, 1997.

26 fevereiro, 2017

A Morte do Eu (Délcio Meireles)

Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16:24); “(Jesus)... como um cordeiro que é levado ao matadouro... não abriu a sua boca” (Is 53:7); “Estes são os que seguem o Cordeiro por onde quer que Ele vá” (Ap 14:4); “(Eu) fui crucificado com Cristo, e vivo, não mais eu mas Cristo vive em mim” (Gl 2:20)

Em Lucas 14 o Senhor Jesus mencionou três vezes a frase: “não pode ser meu discípulo” (vs. 26, 27 e 33) A primeira condição é aborrecer pai, mãe, mulher, filhos, irmãos e irmãs e a própria vida (alma); a segunda é levar a própria cruz e seguir o Senhor; e a terceira é renunciar a tudo quanto possui. Diante disso, quantos crentes em Cristo são Seus discípulos? Precisamos negar o nosso Eu, carregar nossa Cruz, seguir o Senhor, ir para o matadouro sem abrir a boca, seguir o Cordeiro onde quer que Ele vá, mesmo para o matadouro: Isso é crucificação do Eu!

No nosso viver diário o Senhor prepara situações especiais para negarmos a nós mesmo, renunciarmos nossos direitos, aborrecermos nossa alma (Eu), tomar nossa Cruz e segui-Lo. Vamos ver alguns exemplos de como isso acontece na prática:

1) Quando suportamos com amor e paciência qualquer confusão ou aborrecimento; quando enfrentamos o desperdício, a extravagância, a intolerância espiritual e reagimos como Jesus reagiu: Isso é morte do Eu!

Enquanto os outros parecem poder exaltar os seus feitos, sucessos e promover a si mesmos, o Espírito Santo não dará essa permissão a você. Eles podem falar sobre seus planos, mas se você tentar falar das boas obras que realizou, o Espírito Santo irá ferir sua consciência, convencendo você da loucura dos esforços humanos e fazendo com que você despreze a si mesmo e as boas obras que deseja exaltar.

2) Quando você nunca se preocupar em falar de si próprio numa conversa, ou de suas boas ações, ou provocar elogios; quando você puder amar verdadeiramente e ainda se manter desconhecido : Isso é morte do Eu!

Outros podem evidenciar-se ganhando enormes somas de dinheiro, tirando beneficio de casos incríveis, ou fazer investimentos no tempo certo; todavia o Senhor pode manter você na pobreza, a fim de que você se aproxime da imagem do Seu Filho. O seu negocio ou profissão pode não prosperar, problemas de saúde na família podem obrigá-lo a gastar muito dinheiro, podem minar seus recursos, ou os seus investimentos podem ficar em uma cotação tão baixa repentinamente. Deus pode levá-lo a uma dependência dEle total e absoluta, para que você possa experimentar a alegria de ver que o Senhor satisfaz as suas necessidades, dia a dia, a partir de um tesouro que não é visível mas que é ilimitado.

3) Quando você puder ver seu irmão prosperar, com todas as necessidades dele satisfeitas, e, honestamente, regozijar-se com ele sem sentir inveja ou questionar a Deus, enquanto suas próprias necessidades são muito maiores e sua situação é desesperadora : Isso é morte do Eu!

A outros podem ser concedidas honras; eles podem brilhar enquanto você trabalha para Deus na obscuridade. Você nunca é mencionado, mas eles recebem incentivos, elogios e abraços daqueles que os rodeiam. Por quê? Porque alguns dos frutos de qualidade mais excelentes para o Reino do Senhor só podem ser produzidos na obscuridade. Outros podem tornar-se importantes, enquanto você continua sendo insignificante. Ele pode permitir que outros realizem um trabalho para a eternidade, que recebam amplo crédito por isso, enquanto você trabalha horas sem fim, sem saber o que está a realizar. Então Ele fará com que o seu trabalho seja ainda mais precioso, permitindo que os outros recebam o credito pelos esforços que você fez. Você receberá a sua recompensa multiplicada, mas só quando o Senhor Jesus voltar!
4) Quando você for esquecido e negligenciado, desprezado ou evitado propositalmente e não ficar ferido ou magoado com os insultos e enganos, mas se sentir feliz em seu coração achando que vale a pena sofrer por amor a Cristo: Isso é morte do Eu!

Você que deseja ser como Cristo, pode notar o Espírito Santo mantendo-o sob vigilância, demonstrando assim o amor zeloso que Deus tem por você. Ele vai repreendê-lo pelas palavras vazias, sentimentos impróprios e tempo desperdiçado; entretanto os outros cristãos nunca parecem sofrer punições. Outros poderão aproveitar-se de você, abusando de sua boa vontade e quando você pedir recompensa poderão tratar você mal. Não compete a você perguntar porquê ou exigir uma resposta. Deus apenas procura que aceitemos a Sua soberania em nossas vidas, tendo Ele o direito de fazer o que Lhe agrada com Seus filhos.

5) Quando você puder receber correções e censuras de alguém que seja menos importante do que você e manter-se em humildade interior e exterior, sem que surja no seu coração qualquer sinal de revolta ou ressentimento: Isso é morte do Eu!

Se você estiver disposto a desistir dos seus direitos, a não ser compreendido por aqueles a quem você respeita e ser punido sem ter culpa nenhuma, pelo contrário, tornando-se escravo do Deus eterno, você verá bênçãos de Deus derramadas sobre a sua vida, o que acontece apenas com aqueles que têm honra de serem incluídos no grupo “íntimos” do Senhor, aos quais é revelado o “segredo” do Senhor.

6) Quando suas obras forem caluniadas e seus desejos contrariados, seus conselhos postos de lado, suas opiniões ridicularizadas e você não deixar que a ira se apodere do seu coração, ou mesmo quando você se recusar a defender, suportando tudo com paciência e silêncio amoroso: Isso é morte do Eu!

Se você deseja realmente ser como Cristo, precisa colocar um fim nessa questão de uma vez para sempre. Deus através do Seu Espírito possui o privilégio divino de prender sua língua, de amarrar suas mãos e de fechar os seus olhos. Ele pode conduzir o seu negócio, a sua posição social, sua família ou reputação, de uma maneira que Ele não faz com outros. Mas no fundo do seu coração, será que você vai reagir com humildade e prazer? Você vai permitir que Deus seja o Deus que Ele quer ser em você, fazendo com obediência aquilo que o seu Pai celestial quer que você faça? Você vai deixar de esperar que Deus trate você como Ele trata os outros cristãos, e agradecerá por estar proibido de fazer aquilo que ele permite aos outros?

7) Quando você estiver satisfeito com qualquer comida, oferta ou vestuário, qualquer clima, sociedade ou solidão e qualquer interrupção provocada pela vontade de Deus : Isso é a morte do Eu!

Quando o Deus vivo absorver você de tal forma que você venha a se regozijar com este tratamento fora do comum e sentir Sua presença, satisfação e prazer, descobrindo que você está feliz com o envolvimento único, pessoal e especial do Espírito Santo em sua vida, então você irá compreender que está vivendo no Espírito uma vida de qualidade que desafia qualquer explicação. Aí você saberá realmente, o que significa: A Morte do Eu!

Extraído de: Preciosa Semente


-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oh, Senhor, "Mostra-nos como se morre, para que ressuscitemos em novidade de vida." Em nome do Senhor Jesus. Amém.