14 março, 2019

HEAVENLY VISION – PAUL (Romeu Bornelli)




“Therefore, King Agrippa, I was not disobedient to the heavenly vision,” (Acts 26:19)



Just this verse. Let’s note this expression: “I was not disobedient to the heavenly vision”.

Brothers and sisters, the heavenly vision is not the all thing, but is the most important thing. If our eyes are not opened we’ll have all kinds of problems in our christian lives. When our Lord met Paul in on the road of Damascus, Paul said to Him: “Who are Thou Lord”, and the Lord said: “I am Jesus and you are persecuting me.” This word of the Lord on this road of Damascus, put the foundation of the old vision of the apostle Paul. The whole life of the apostle Paul was governed by this vision. So, the heavenly vision is not one thing, but it’s the most important thing in our life. It’s not the whole thing because we can be disobedient to the heavenly vision. So we need not just the heavenly vision, but we need to be obedient to the heavenly vision. But there is an important question: What is the heavenly vision? I think our Lord uses especially three servants to say to us, what is the content of the heavenly vision, and this content of the heavenly vision is very, very important. I think our Lord used the apostle Paul, apostle Peter and apostle John to give us a great vision and these three visions really are one, just one vision in three parts, three important parts. So, when apostle Paul exposed his vision, he spoke specially about the body of Christ. This is the chief part of the vision of the apostle Paul: The body of Christ. When the apostle John exposed his vision, he spoke especially about the family of God. So, this aspect: The family of God is the foundation of the vision of the apostle John. And when our Lord by His Holy Spirit used Peter, the fundamental aspect of the Peter’s vision was the house of God. So, let’s remember this because it’s so important, my brothers and sisters. The foundation of the vision of the apostle Paul was about the body of Christ. And the most important aspect of the vision of the apostle John was the family of God. And the most important part of the vision of the apostle Peter was the house of God. When we put together these three visions we have just one vision. When Paul wrote the epistle to the Ephesians, let’s open our Bibles in this epistle, please. Ephesians, chapter 1, verse 17. Let’s know just one phrase towards in this verse. “That the God of our Lord Jesus Christ - look this expression - the Father of glory...the Father of glory… may give to you the Spirit of wisdom and revelation in the knowledge of Him.” Let’s note this expression: The Father of glory. Why Paul uses this expression: The Father of glory? Because before him, since the eternity, this wonderful Father, He established a vast, a imense, a tremendous scene of glory and this scene, this picture of glory that our Father before him planed, has its center in His Son, Jesus Christ.  

The apostle James in his epistle, chapter 2 said that our Lord Jesus Christ not has glory, but is the glory. Jesus Christ is the glory. (James 2:1). He is the glory. And when the Father of glory established this purpose, the His Son was in the center of this purpose. Brothers, it is so important. If you open your Bible in 2nd Corinthians chapter 3, verse 3, Paul said there that by the Holy Spirit, God through the ministry of the apostle Paul, God has writing a letter on our hearts. What is the meaning of this? The one of the aspect of the supreme purpose of God is writing these letter on our hearts. And how God can do this? By His Holy Spirit, only by His Holy Spirit. So, when this Father of glory planed this purpose after the resurrection of our Lord, and His ascension, and His intronization, He received the Holy Spirit; the language of the Psalm 133 said that oil, do you remember? That oil over the head that Psalm 133, that Psalm 133? That oil is a type, a symbol of the Holy Spirit. And when our Lord was enthroned, He received this oil, this holy oil; the Holy Spirit. And when our Lord received the Holy Spirit - Acts chapter 2, verse 33 say that our Lord poured out this Spirit on the church, over the church and in the church. And we have the indwelling of the Holy Spirit in us. Praise God! So when Paul exposed this vision on the letter of Ephesians, He taught us about this heavenly vision. And I’d like to share with you the first aspect of this vision in this morning. This vision of apostle Paul, if the Lord wants, we can share something about the Peter’s vision and the John’s vision. Because you remember: these three vision are just one, because there are no many visions, there are just one vision, and it’s very important to know about the context of this only vision. God may bless us in this way, brothers. Let’s see something about the Paul’s vision. So when Paul wrote this letter, this special letter to the Ephesians, he shared about this heavenly vision centered in the Son of God, because this is the Father is called the Father of glory. So when we read chapter 1 and chapter 2, please open your Bible before your eyes just for reference, these two chapters, Ephesians chapter 1 until chapter 3. Because this letter, we can divide this letter in two important parts. The first three chapters has to do with vision, the first three chapters. And the last two chapters has to do especially with the practical life of the church. So my brothers you may have heard many things about the practice life of the church. I think so, but so we need so much to understand what the Bible says about the practical life of the church. In these three chapter, Ephesians 4 until chapter 6 has many things to do say to us about the practical life of the church. Because the emphasis is not to do some practical things about these, about that, but the essence of the practical life of the church. Not some ways of speaking, some ways of many things, but the content of the practical life of the church. But it’s wrong to begin in this part about the practical things, we need to begin with the vision. Because the vision is the foundation of everything. So let’s see something about the vision. Chapter 2, verse 10, there is another important word in this verse. Ephesians 2, verse 10 let’s read this verse. “For we are his workmanship”, another translation said “masterpiece”. Do you know what is masterpiece? Do you know? The masterpiece is that work, the greatest work of the someone’s life. The greatest work, the masterpiece. Brothers and sisters, this is a wonderful verse, because Paul said in this verse that we are His masterpiece. It is a marvelous thing: We are His masterpiece, His workmanship. What is the meaning of this? We called the verse 2nd Corinthians chapter 3, verse 3, and in this verse I think we remember, Paul said “God is writing a letter.” Do you remember? God is writing a letter and which letter? The letter is ourselves. And God is writing this letter by His Holy Spirit in tables of flesh, not in tables of stones. And this letter of Ephesians expose the manner, the way of the God is writing this wonderful letter. And this wonderful letter is His masterpiece. This is not wonderful, brothers? This letter is ourselves; we are His masterpiece. And when Paul use this word “masterpiece”, what is the meaning of this? If you read this chapter two carefully, we are going to note three things. Pay attention about these three things in just chapter 2. If you read verse 14 until the end, all the search, Paul uses three important words. First of all he said: “We are the family of God.” Do you remember? Verse 19, verse 20 of chapter 2. We are the family of God and this is the special aspects of the John’s vision, the family of God. And Paul uses another important word. Paul said “we are the body of Christ.” Just one body and this aspect of body is the chief aspect of the Paul’s vision. And look at the end of this chapter in your Bible, verse 20 until 22 of chapter 2 of Ephesians. Paul said in this portion: “We are the temple of God.” In this aspect “temple of God”, like we said, is the principal aspect of the Peter’s vision; the temple of God. And Paul uses these three types, the three words: “the family of God” - this has to do with John’s vision -, Paul uses the words “body of Christ” - this has to do with the Paul’s vision -, and Paul uses the words “a temple or sanctuary of God”, - and this has to do with Peter’s vision. So you know that these three visions are just on vision, because this Paul said before the King Agrippa: “I was not disobedient to the heavenly vision”, no heavenly visions, but heavenly vision; just one vision in three big aspects, important aspects. So my brothers we need to be governed, to be ruled by this vision. So let’s see something about this first aspect: the Paul’s vision. So when Paul uses this word “masterpiece” or “workmanship” in chapter 2, verse 10, the reference is second Corinthians 3, verse 3. “God is writing a letter on our hearts.” And brothers, if we are members of Christ, some ancient translation of Ephesians chapter 5, I think verse 12 or 23 said: “We are member of his body, his flesh and his bones.”

There is one ancient translation that put these in this way: “We are members of his body, of his flesh and of his bones.” Is it no wonderful? Do you remember when our Lord was resurrect in Luke, chapter 24, when our Lord ate a piece of fish, do you remember, in the presence of his disciples, do you remember this, that fact? What is the reason for this? Because our Lord was giving a demonstration of the reality of his real resurrection. He has a real body, a spiritual body. In this spiritual body is not just a spiritual body of Christ, but Christ, when Christ resurrect and He was enthroned, He was constituted the head of a big body with many members. So our Lord imparted his life with this member, his own life into these members. So because this, Ephesians 5 said “We are members of His body, of his flesh and of his bones.” So wonderful declaration! Because He remembered it the type, the symbol when God created the woman He presented this woman to the man, yes? And do you remember what the man said? “This is flesh of my flesh and bone of my bones.” Brothers this is just a symbol. Where is the reality? In our Lord, in his headship, his lordship and the communion between his lordship and the many members linked with Him in just one organism. This is the writing that our God is writing in on ourselves, on our hearts. This is his masterpiece, this is his workmanship. So this is the first aspect of the vision, the Paul’s vision. We need to be captured for this. Really when I gained some vision, brothers and sisters, we have no options before this vision. The vision is something so constrained, that have the vision, the real vision capture us, and it is so necessary. We cannot negotiate this vision because this vision is so important. When the vision is clear by the Holy Spirit, this vision give you so strong impression that we are made captive. Praise the Lord, because of this. So we are reading some letter of one of this man, Paul. Paul was a captive of Jesus Christ. When Paul touches the second part of this epistle, chapter 4 till chapter 6, he uses a word of a link words between this first section chapter 1,2 and 3, that has to do with vision and Paul uses a special word a link words between these first 3 chapters and last three chapters, because the last three chapters has to do with the practical life of the church. What are these important words? Do you have some suggestion? Look chapter 4, verse 1 (Ephesians 4:1) “I, therefore” - look this word now - “the prisoner”. Brothers, this is the main word in this last session. “I, therefore the prisoner”. Thanks Lord for this word. Note this important thing please, brothers and sisters. There is no possibility to live any church life without this reality. If we are not the prisoners of Jesus Christ, the church life is impossible. The church life is not a practical. Do you understand? To do something, to do others things, to speak in this way, to speak another way… Do you understand? The church life is a spiritual reality. If we are not the prisoners of Jesus Christ, there is no church life, there is no christian life and there is no church life. “Prisoner”, this is the most important thing. You remember I think the type, the symbol in the Old Testament. Do you remember? The book of Exodus and Deuteronomy, what the Lord said bout that slaves, about the ear piercing. Do you remember? What is the meaning of the sign here ears piercing. What is the meaning? We are the captives, but not just slaves or bond slaves, we are free slaves...we are free slaves. We are slaves or bond slaves by love or through love. Oh, Brothers, this is so wonderful! “I therefore, a prisoner of the Lord, beseech you to walk.” This is another important word in this verse, “walk”. The first important word is prisoner, this is the key of everything. So let’s remember this at the Lord’s feet. Amen? “Prisoner”. Another word in this verse is “to walk.” The first mention of this idea in Ephesians is in chapter 2. Let’s read since the verse 10. “For we are” - we read this verse some minutes ago -, “For we are his workmanship” or “masterpiece” created in Christ Jesus for good works.” Which good works? Which God prepared beforehand that we should”... What? “Should walk”, this is the first mention of this word “walk” in this letter. Why is this important? Because these good works, look “good works which God prepared beforehand that we should walk in them.” And we can ask: Which good works? Which are these good works and where is the answer? The answer is in chapter 4. Do you understand this? Because when Paul said “I, therefore, the prisoner”, since do verse 2 (Ephesians 4:2), Paul is quoting which are these good works. And let’s see there, chapter 4, look verse 2. Look the good works here. These are the good works. “I, therefore, the prisoner of the Lord, beseech you to walk”, the same word, even chapter 2, verse 10. “to walk worthy of calling”... Worthy... This word worthy, in the original language has to do with harmony. This is important word too in this verse. There are many important words in this verse 1, many. This word “worthy” in original, in greek language is the word harmony. This is a wonderful word because God has a plan and we need to walk in Harmony with this plan. So Paul uses the word worthy in Harmony with the God's plan. So let's continue. “To walk worthy of the calling with which you were called”, and which are these good works? So the answer is in chapter four. Let’s continue then now, verse 2. “With all lowliness”. This is the first good work, “lowliness”. Do you understand this, brother? It's not to work that we do, something that we do, something that we speak, but something that has to do with character, character. Because where there is no character there is not work of God. God’s work, church life, christian life, everything is impossible, because there is no character. Because this we called in second Corinthians 3, verse 3: “God is writing some letter on our heart.” Brothers, that expression is so wonderful like we said, because we are living letters - living letters. We read the Bible and the world read the church. The world doesn’t like the Bible. There’s no pleasure in the world about the word of God. If God is writing some letter on our hearts, so we are living letters writing by the Holy Spirit. So which are the good works? Lowliness has to do with character. All has to do with character; the character of Christ formed in us. Lowliness and gentleness or meekness in other translation, gentleness or meekness with longsuffering or patience in other translation. Patience or longsuffering, “bearing with one another in love.” Because love is summarizing everything; in love. Like Galatians chapter 5, do you remember? Verse 22? “The fruit of the Spirit is love”. And after love we have many things. But love summarize everything, because this the last word that Paul put in this verse is love. In love. And with these words Paul introduced this practical session in this epistle. So my brothers, let’s summarize this. The most important aspect of the Paul’s vision is this masterpiece, this workmanship. And Paul sees this workmanship in this, in especially in this important aspect “We are members of the body of Christ.” And not only members of his body, but of his flesh and his bones. Because our unity with the Lord is so big, so full. “We are members of his body and in the last chapter Paul is saying about the manner of to live this christian life, and there are many important marks. In verse 1 and 2 summarizing this. In verse 1 and 2 we can summarize with the word love. This lowliness, this meekness or longsuffering, bearing with one another in love... in love. And verse 3, “endeavoring to keep the unity of the Spirit in the bond of peace. This is all the important thing in the Paul’s vision because, why my brother, why this is so important? Because this special aspect of the Paul’s vision was on head, just one head, and just one body. So we must preserve this unity because this unity cannot be promote. It’s necessary for us to preserve, not to promote. Do you understand this difference, my brothers? We can wear the some clothes, we can speak in same way, we can go to same place...It’s not the unity of the Spirit. The unity of the Spirit cannot be promoted. The unity of the Spirit is already. It has already been promoted. Our Lord promoted this unity. Our responsibility is to preserve this unity. And how we can preserve this unity? How? I think the key is this word that is around this verse.
We can preserve this word in humility, in lowliness. We can preserve this unity, this holy unity in longsuffering, in patient bearing one another. This is the way to preserve this holy unity. This is a wonderful unity. Oh, my brothers, It’s so necessary! Chapter 4, verse 4. “There is one body.” Do you know this chief aspect of the Paul’s vision? Do you realize this? Onde body! This is the foundational aspect of the Paul’s vision. “There is one body and one Spirit, just as you were called in one hope of your calling; one Lord one faith, one baptism; one God and Father of all, who is above all, and through all, and in you all.” Praise the Lord!

Brothers, this unity is our responsibility to preserve it. But let's note this: we cannot promote this unity and this unity it’s not an external unity. This is inner unity promoted by the Holy Spirit. So let’s see some just one or two things more. Since verse 1 till verse 16, this of the chapter 4, there is four sections, four sections. The first section comprehend the verse one and two, and the most important word is love. Because we said: the love summarize everything; humility, meekness, longsuffering and bearing one another. Love is the summary, it’s summarizing everything. So love is the chief word of this first section, verse 1, verse 2. And after the section is another section, since verse 3 till verse 6. Look at the Bible please, since verse 3 till verse 6. And what is the chief point of the section? The chief point is unity. In first section love, in the second section unity. Is the first word. Seven times you can see the word “one, one”... One Lord, one baptism, one Spirit, one body...seven times. The unity of the Spirit. This is the second section, unity, and we need to preserve this unity. So since verse 7 now, look this expression: “But to each one of us”,  it’s very different this section. The previous section, the second section unity, one, one, one. In this section “each one”. So the same, the matter, the issue of the section is diversity, diversity. Brothers it is so wonderful, because in the same body we have the unity and we have diversity, in the same body. Praise the Lord! We have not just one ministry; we have many ministry; “each one of us.” Praise the Lord because this! Unity of the Spirit and many members. Do you see the Paul’s vision? One head, many members, one body; corporate man. So let’s see something more. “But to each one of us grace was given.” Praise the Lord! Apostle John said in his gospel, John chapter 1, verses 16 and 17, he said: “Every one of us has received from Him, from His fullness, grace upon grace”. Grace upon grace from his fullness. So wonderful, my brothers because the fulness is in the Head, and by the Head, through the Head by the Holy Spirit. We are receiving grace upon grace. The great question is: We are good receivers of the grace? We are good receivers? Do you remember that birds inside some net, with their mouths opened to the mom, do you remember? This is an important type, symbol. It must be our attitudes before our God, because the fullness is in Him and every one of us are receiving of His fullness. He is our Father of glory, our mom. Do you understand? The Father of glory and we are receiving from Him, grace upon grace. So verse 7 says: “But to each one of us grace was given according to the measure of Christ.” Brothers, what is the measure of Christ? Can we understand this? It’s impossible! Look chapter one verse 22, the last verse of the chapter 1. “And He put all things under his feet, and gave Him to be head over all things to the church.” This is wonderful expression! But look this: “Which is his body.” Once more we are note this expression: “He is body”. This is the special factor of the Paul’s vision. “Which is his body, the fullness”. Look the word “fullness”. “Every one of us has received from Him, from his fullness, grace upon grace.” “The fullness of Him.” Which is the church, my brothers? In my opinion there is no better definition of the church in the whole Bible. Which is the church? The church is “His body, the fullness”. Praise the Lord! “The fullness of Him.” Praise the Lord!

“The fullness of Him”. Him who? Who fills. Something? No, all... “All in all.” Praise the Lord! So in chapter 4 we read, let’s go back to this verse. “But to each one of us grace was given according to the measure...” And the measure we read in chapter 1, verse 22. The measure is our Lord fills all in all. This is the measure: Fills all in all. Praise the Lord! “To each one of us grace was given according to the measure of Christ’s gift. Therefore He says: When He ascended on high, He led captivity, captive…” Wonderful word. This word, Paul imported from the Psalm 68, verse 18. And it is very interesting the difference between the Psalm 68, verse 18 and this quotation here. There is a difference. Do you have noted this or no? In Psalm 68, verse 18, Paul said this captivity of our Lord, in Psalm 68, received men for as gifts. Received first the men as gift - In Psalm 68, verse 18. But now in Ephesians by the Holy Spirit, Paul is interpreting this verse in Psalm 68, and in Ephesians 4, Paul exchanged the word and he said: “He has given to the church.” It’s wonderful my brothers. When we put this verse together, so notice and take note of this. Psalm 68, verse 18 and Ephesians 4, verse 8. “When he ascended on high he led captivity captive and gave…” And the word in the Psalm is received and here is gave.
So do you understand? In first place our Lord received man as gift. So my brothers, pay attention here. How is the mechanism?  First of all the church is a gift from the Father to the Son. Because this our Lord said in John, chapter 10: “My sheep hear my voice.” Do you remember? Show the sheep are the special gift from the Father to the Son. So in first place when our Lord penetrate this places underground, He received men as gift. Gift from the Father to the Son, His gift. We are gift for the Lord in first place. Because of this we are his prisoners, brothers. Brothers, theses verses in the Bible you don’t have one verse here on a verse there on verse there… Do you understand? You have something here, something there and something here, through light upon something there… This is the word of God! So when we put this thing together, we have a wonderful picture. First of all our Father gave us to the Son; we are His gift, special gift. Because this He said: “My sheep”. There's no confusion in there. “They hear my voice”, “they understand my voice.” Oh, my brothers! Praise God by the ministry of the Holy Spirit! We know the voice of our Father. So when the Son received His gift from the Father, what he did? He gave. He gave to the church, to us , to the church, to build up the church, to edify the church, to perfecting the saints. Praise the Lord! So this is the vision about ministry in the scriptures, not men to be up on the platform to be observed, but our God gave gifts to the church, to perfect the church, to mature the saints, to perform their ministries. Praise the Lord, my brothers. This ministry is corporate ministry, not a singular ministry. “When he ascended on high, He led captivity captive, and gave gifts to men.” Now “he ascended (verse 9) now this “he ascended”, that does it mean: “But He also first descended into the lower parts of the earth”, He himself, He who descended is also the One who ascended far above all”, not just above all, but far above all. Brothers this expression “far above all” has to do with the measure of Christ. Has to do with his fullness. He was put far above all, but He is our hand, our head in vital unity with his body. It is not wonderful, my brothers? “Far above all (verse 10) the heavens, that He might fill all things.” Look the word “fill” again like in the chapter 1, verse 22. “He fills all in all”, and here again. “That He might fill all things”, and one question here. How our Lord will fill all things, how? Through his body. This is the one way: The head is in heaven. The head is enthroned, this is the head. But his members are on the earth and He will fill all things through the church. Because this, dear brothers, in Ephesians 3, verse 10, there’s a wonderful word there. The church is his fullness, all the principalities, all the powers will see the might power, the grace of God, the glory of God because our God is the God of glory, the Father of glory. So His glory will be seen in the church, on the church. So Let’s continue just some minutes more. Ephesians chapter 4, verse 11. “And He Himself”. Do you noted this important word “He Himself”? Not other man, one man cannot constitute other man. “He Himself” gave some to be apostles, some prophets, some evangelists and some pastors and teachers, for the equipping of the saint for the work of ministry, for the edifying of the body of Christ, till we all…” Again the word all. Our Lord fills all in all. And we all because we are receiving from his fullness, grace upon grace. Like that birds with their mouths opened. “For the work of ministry, for the edifying of the body of Christ till we all come to the unity.” Again the unity. “Of the faith and of the knowledge of the Son of God to a perfect man, to the measure…” Again the word “measure”. Do you remember? So you need to read, brothers and sisters, this epistle very carefully because it’s so amazing. “The measure of the stature of the fullness.” And here again, “fullness - again - of Christ”. This is the church. Chapter three, just one more verse. (Chapter 3, verse 10) Let’s read verse nine because we need the context (verse 9). “And to make all see what is the fellowship of the mystery, which from the beginning of the ages has been hidden in God (in God) who created all things.” The word “all” again - once more -, “all things through Jesus Christ; to the intent that now - now, not tomorrow, but now -, “now the manifold wisdom of God might be made known by the church to the principalities and powers in the heavenly places, according to the eternal purpose.” This is the theme of this letter: The eternal purpose of God. And brothers, we need put this at the Lord’s feet, because we need open eyes by the Holy Spirit. This is the prayers of Paul in the chapter one. Do you remember? Chapter 1 of Ephesians, verse 17? Open eyes enlightened by the Holy Spirit. Hearts enlightened by the Holy Spirit. So brothers, when we have a real vision, decision and we don’t put us in this position: erect. Do you know?

But in this position we bow our knees before our eyes. When we are captives this is the only attitude: We bow our knees, like Paul, Like John, like Daniel. (Chapter 10) “to the intent that now the manifold wisdom of God might be made known by the church to the principalities and powers in the heavenly places, according to the eternal purpose which He accomplished in Christ Jesus our Lord, in whom we have boldness and access with confidence through faith in Him.” So brothers, this is Paul’s vision. It has to do with this masterpiece, with this workmanship in these aspects. So let’s take these things and let’s put this at the Lord’s feet with the same prayer of Paul’s in chapter one. Let’s see this prayers and we’ll finish this time now. Let’s read this prayer. Ephesians 1. You know that there are two prayers of Paul in this letter, yes? Two prayer: one prayer in chapter one, another prayer in chapter three… two prayer. Let’s read this first prayer. Ephesians 1, since verse 15. “Therefore I also, after I heard of your faith in the Lord Jesus and your love for all the saints, do not cease to give thanks for you, making mention of you in my prayers.” Look the prayers now, first 17. “That the God of our Lord Jesus Christ, the Father of glory, may give to you the Spirit of wisdom and revelation.” Oh, my brothers, we need so much this work of the Holy Spirit giving us wisdom, given us revelation, because brothers, if we don’t have this attitude our the mark of our walking, we will be like Laodiceia: superb. We have all things, we know all things… I have heard all things, I had been in all conference, I’ve read all the books... and we put a hindrance for the work of the Holy Spirit. It’s so necessary brothers.* “May give to you the Spirit of wisdom and the revelation in the knowledge of Him the eyes…” Look this wonderful verse brothers and sisters. “The eyes of your understanding, our understanding is so blind. “The eyes of your understanding being enlightened.” Praise the Lord! “Enlightened that you may”... that you may know. In other words “without the ministry of the Holy Spirit we  have nothing, nothing. Without humble, (humility) we have nothing. “That you may know that is the hope of his calling what are te riches of the glory of his inheritance in the saints.” Oh brothers, this is the  prayer, not the Paul’s prayer, this is the Holy Spirit’s prayer. Because we cannot pray in a good way. Praise the Lord! May the Lord continue speaking on to our hearts, brothers. Let’s pray.

“Our God, Father of glory, we praise you. Give us this spirit of wisdom and knowledge. Open our eyes to see. We need you. O Lord, do His work in us, Sir. We pray in the name of our Lord Jesus. Amen. Thank you brothers.  



by Romeu Bornelli            



NOTES

* I believe that in this sentence the author is referring to the fact that there is great need for us be able to identify this contrary attitude to what he set out in the two paragraphs above. (Translator's note)


Translator: Levi Cândido


O LEITOR PODERÁ LER O ARTIGO ACIMA EM PORTUGUÊS PELO LINK ABAIXO:

> VISÃO CELESTIAL - PAULO (ROMEU BORNELLI)

e/ou ASSISTIR AO VÍDEO ORIGINAL PELO LINK ABAIXO:

> Heavenly Vision - Paul

05 março, 2019

A Administração Do Mistério - Theodore Austin Sparks

CAPÍTULO 01

O Propósito das Eras

“...Ninguém conhece o Filho, senão o Pai...” — Mat. 11:27.
“...aprouve a Deus … revelar Seu Filho em mim...”—Gal. 1:15,16.
“...Considero todas as coisas como perda pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor...” — Fil. 3:8.
“...para que eu possa conhecê-lo...”—Phil. 3:10.
“Descobrindo-nos o mistério da Sua vontade, segundo o Seu beneplácito, que propusera em Si mesmo, de tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra...”— Efé. 1:9,10.

Esta pequena frase no versículo dez é a palavra que irá dominar a nossa meditação — TODAS AS COISAS EM CRISTO.
Estas escrituras falam por si mesmas. Quando ouvirmos a voz interior do Espírito nestes fragmentos da Palavra Divina, certamente iremos começar a sentir uma sensação de tremendo significado, de valor e de conteúdo. Deveremos nos sentir como pessoas que chegam à porta de um novo reino cheio de maravilhas — desconhecidas, não examinadas, inexploradas.

Necessidade de Revelação
Encontramo-nos no exato limiar deste reino com uma declaração cujo objetivo é o de examinar os nossos passos para o momento, e, se nos aproximarmos com um ar de que já conhecemos ou possuímos tudo, com um senso de contentamento, de satisfação pessoal, ou com qualquer outro sentimento, que não aquele de que precisamos conhecer tudo, então esta palavra deverá imediatamente nos levar a uma paralisação: “...ninguém conhece o Filho, exceto o Pai...”
Talvez pensássemos que já sabíamos tudo a respeito do Senhor Jesus; que tínhamos a capacidade de conhecer; que estudar e ouvir, e várias outras formas de nossa própria aplicação e atividade poderia nos trazer conhecimento, mas, na introdução, é-nos dito “...ninguém conhece o Filho, a não ser o Pai....” Tudo o que o Filho é está confinado no Pai; somente o Pai conhece o Filho.
Porém, quando enfrentamos este fato, e reconhecemos as suas implicações, iremos ver que estamos aqui diante de um terreno fechado, ao qual não podemos adentrar, pois não possuímos qualquer equipamento. Não há nada em nós, em termos de capacidade, que nos permita penetrar nos segredos do território de Cristo. Então, após a descoberta deste fato um tanto que surpreendente da absoluta incapacidade do homem de conhecer, por natureza, o próximo fato que nos confronta é: “...aprouve a Deus... revelar Seu Filho em mim…” Embora Deus tenha tudo isto encerrado em Si mesmo, em Seu próprio domínio, e apenas Ele tenha o conhecimento do Filho, está em Seu coração, contudo, dar a revelação.
E, dado que somos completamente dependentes desta revelação Divina, e que toda capacidade e facilidade humana é excluída neste sentido, vez que a revelação somente pode ser alcançada através de um descortinar Divino, em nosso interior, estamos fazendo com que fique bem claro que tudo é de graça quando rejeitamos toda e qualquer confiança em obras, quando nos afastamos da auto-suficiência, da auto-confiança, da confiança na carne, e de qualquer orgulho de progresso ou abordagem.
Leia estas duas passagens à luz do que Paulo era, quando conhecido como Saulo de Tarso, antes de o Senhor tê-lo encontrado, e depois, como Paulo, o apóstolo, e você irá ganhar algo mais da força que elas possuem. Saulo de Tarso teria chamado a si próprio de mestre de Israel, alguém muito bem instruído nas escrituras, com certa dose de autoconfiança e auto-suficiência em sua apreensão e compreensão dos oráculos de Deus. Até mesmo alguém como ele terá que chegar a um reconhecimento de que nada daquilo se aproveita no reino de Cristo; onde ele percebe que é
completamente cego, ignorante, inútil, totalmente excluído e carente da graça de Deus até mesmo para o primeiro vislumbre de luz; tendo que se humilhar e dizer: “...aprouve a Deus … revelar o Seu Filho em mim”. Isto é graça.
Isto marcou o início; e para a presente meditação, estaremos considerando a inexplorada plenitude daquilo que o próprio Deus colocou dentro do Seu Filho, o Senhor Jesus, em realidade e em propósito, como sendo o objeto de Sua graça em relação a nós. Sua graça tem levado o Senhor a buscar trazer-nos, por revelação, a todo este conhecimento e plenitude que Ele mesmo possui como sendo o Seu próprio conhecimento secreto da Sua plenitude em Seu Filho, o Senhor
Jesus. TODAS AS COISAS EM CRISTO.

A Revelação que Paulo Tinha de Cristo
Jamais será nosso desejo fazer comparações entre os apóstolos, e Deus nos livre de que venhamos atribuir um valor menor a qualquer um deles diferente daquele que o próprio Senhor tem atribuído; contudo, penso estarmos muito corretos ao dizer que, mais do que qualquer outro, Paulo foi, e é, o intérprete de Cristo; e, se o tomarmos como nosso intérprete, como alguém que nos leva aos segredos de Cristo de modo mais pleno, assinalamos como ele encarna aquilo que ele fala. É o próprio homem, afinal, e não apenas aquilo que ele diz, que nos leva a Cristo, num sentido mais pleno e
mais profundo.
Algo que tem impelido muito o meu coração em relação a esta questão é a concepção sempre crescente de Cristo que Paulo tinha. Não há qualquer dúvida de que esta concepção era sempre crescente, e, quando Paulo chegou ao final da sua vida terrena, plena, rica, e profunda como ela tinha sido, a visão que ele tinha de Cristo era tal que ainda o fazia clamar: “...para que eu possa conhecê-lo....” Sim, no início de sua carreira, aprouvera a Deus revelar o Seu Filho nele, mas, ao final, era como se ele ainda não tivesse conhecido nada de Cristo. Ele descobriu que o seu Cristo estava
incomensuravelmente além do seu pensamento e da sua concepção, e, então, ele entrou na eternidade com um grito em seus lábios: “...para que eu possa conhecê-lo....”
Creio (e não como uma questão de sentimento) que esta será a nossa eterna bem-aventurança, a natureza da nossa eternidade, ou seja, descobrir Cristo. Paulo, como dissemos, teve um grande conhecimento de Cristo. No melhor das hipóteses, nós, aqui, encontramos a nós mesmos murchando em insignificância toda vez que nos aproximamos de Cristo. Quantas vezes já lemos a Carta aos Efésios! Não estou exagerando quando digo que, se a tivéssemos lido por anos, dezenas, centenas, ou até milhares de vezes, cada sentença poderia nos deter novamente sempre que a ela
retornássemos. Paulo sabia o que estava falando. Sua concepção era ampla, mas, mesmo assim, ele ainda dizia no final: ‘para que eu possa conhecê-lo’. Não acho que iremos imediatamente conhecer Cristo em plenitude ao passarmos para a Sua presença. Creio que precisamos prosseguir — governado por esta palavra, “as eras vindouras” — descobrindo e explorando a Cristo. Esta concepção sempre crescente de Cristo era o que mantinha a vida de Paulo, que mantinha vivo o seu ministério. Com ele jamais houve qualquer estagnação. Ele jamais chegou a algum ponto ou a
algum lugar onde houvesse qualquer sugestão de que agora ele conhecia tudo. O que ele parece dizer é: Eu ainda não conheço tudo, mas vejo em parte, contudo verdadeiramente, com o olho do espírito, vejo um Cristo tão grande, tão vasto que me mantém nesta busca, neste seguir em frente. Prossigo avante; esqueço das coisas que para trás ficam, considero todas elas como refugo por causa da excelência do conhecimento de Cristo Jesus, para que eu possa conhecê-lo. Nesta concepção crescente de Cristo, Paulo afastou-se bastante daquela sua posição de mestre dos judeus,
ou do próprio judeu que era, em seu melhor.
Paulo começou com uma concepção judaica a respeito do Messias, fosse ela qual fosse. É quase impossível dizer qual era a concepção judaica a respeito de Cristo. Você tem indicações do que eles esperavam que o Messias fosse ou fizesse, mas não há nada que indique exatamente qual era, em plenitude, a concepção que eles tinham acerca do Messias; sem dúvida era uma concepção muito limitada. Havia uma grande dose de incerteza, o que, a partir de certo ponto, traía o pensamento judaico em sua longa espera pelo Messias. O Messias deles representava algo terreno e
temporal; um reino terreno, um poder temporal, com todas as vantagens terrenas e temporais que viriam a eles nesta terra a partir do reinado do Messias, do Seu governo, de Sua aparição. É aí que iniciamos nossa consideração sobre a concepção que Paulo tinha de Cristo. É bem verdade que a concepção judaica não restringia a benção apenas a Israel, mas admitia que a vinda do Messias, através dos judeus, resultaria em bênçãos para todas as nações; contudo, tal concepção ainda continuava sendo terrena, temporal, limitada a coisas aqui deste mundo. Se você ler os evangelhos,
especialmente o de Mateus, irá ver que o esforço dos crentes judeus consistia em mostrar que Cristo havia realizado três coisas.
Primeiro, Jesus corrigiu a concepção que eles tinham a respeito do Messias.
Segundo, Jesus cumpriu as maiores esperanças que eles tinham acerca do Messias.
Terceiro, Jesus transcendeu em muito a tudo aquilo que eles tinham imaginado.
Você deve se lembrar que os evangelhos não foram escritos simplesmente para convencer os incrédulos. Eles também foram escritos para os crentes, a fim de ajudá-los através das interpretações. O evangelho de Mateus, escrito como se estivesse num tempo de transição, foi escrito com a finalidade de interpretar e confirmar a fé em Cristo, mostrando quem realmente Ele era, para qual finalidade Ele havia vindo, corrigindo e ajustando, assim, a concepção que eles tinham
sobre o Messias. A concepção deles era inadequada, distorcida, limitada, e, algumas vezes, equivocada. Assim, estes escritos tiveram a finalidade de corrigi-los, de mostrar que Cristo tinha cumprido as melhores, as mais elevadas e as mais verdadeiras esperanças e expectativas messiânicas, e havia infinitamente transcendido a todas elas. Você precisa de Paulo para interpretar Mateus, Marcos, Lucas, e João; e ele faz isto. Ele mostra Cristo como alguém em quem cada
esperança e possibilidade é alcançada. Estavam eles esperando um reino, uma libertação e uma bem-aventurança terrena? Cristo havia realizado algo infinitamente melhor do que isto. Ele havia realizado para eles uma redenção cósmica; não apenas uma libertação do poder de Roma, ou de qualquer outro poder temporal, mas uma libertação de todo o poder do maligno no universo - “O qual nos libertou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do Filho de Seu amor”. Mateus, particularmente, enfatizou a realidade do reino, mas a idéia que os judeus tinham deste reino, com a qual ele se confrontou, era muito limitada, muito terrena, muito estreita. Paulo, com uma nova ênfase, pelo
Espírito, traz à vista a natureza e a imensidão do reino do Filho de Deus.
Agora podemos ver o que significa libertação dos nossos inimigos. Não vamos nos aprofundar nisto, apenas daremos uma pincelada. Uma revelação tal como esta foi um corretivo. Ela mostrou um cumprimento num sentido mais profundo do que aquele que eles tinham esperado; mas também transcendeu a mais plena esperança e expectativa deles. Paulo interpretou Cristo para eles em seu mais pleno significado e valor. Ele mesmo havia começado no nível deles. A concepção que eles tinham de Cristo tinha sido a dele próprio. Mas, após ter agradado a Deus revelar seu Filho nele,
deu-se início um aumento contínuo do conhecimento que Paulo tinha de Cristo, através de uma revelação sempre crescente daquilo que Ele era.
Naturalmente, como Saulo de Tarso, ele jamais acreditou que Jesus de Nazaré fosse o Messias. Isto nos leva um passo mais atrás na concepção de Paulo. Ele acreditava que Jesus era um impostor, por isso ele procurava eliminar tudo o que estava associado a Ele no mundo.
Paulo, então, teve que aprender pelo menos duas coisas. Teve que aprender não só que Jesus de Nazaré era o Messias, mas também que Ele transcendia em muito a todas as concepções judaicas a respeito do Messias, a todas as suas próprias idéias e expectativas associadas ao Messias. Paulo não apenas aprendeu que Jesus era o Messias, mas que, como Messias, Ele era muito maior e mais maravilhoso do que as suas idéias, concepções e expectativas mais plenas. Paulo foi trazido a esta revelação pela graça de Deus.

A Progressividade da Revelação como Ilustrado em Paulo
Não acho que a questão precise de argumentação, pois é difícil de rebater as evidências de progresso na compreensão e no conhecimento que Paulo teve de Cristo, e é claro que o progresso, a expansão e o desenvolvimento em seu conhecimento de Cristo levaram-no a um ajuste. Não me compreenda mal. Tais coisas não levaram a um repúdio a tudo o que Paulo tinha afirmado anteriormente, nem a uma contradição a toda verdade que tinha vindo através dele; mas elas levaram a um ajuste. Na medida em que seu conhecimento de Cristo aumentava e se expandia, Paulo percebia que precisava se ajustar.
Este é um ponto em que muitos têm tropeçado, mas é uma questão que não devemos temer. Muitas pessoas têm medo da idéia de que um homem feito o Paulo — ou qualquer outro homem da Bíblia que fosse Divinamente inspirado — que estivesse tão absolutamente debaixo do poder do Espírito Santo, devesse ainda se ajustar a uma nova revelação. Tais pessoas parecem pensar que isto necessariamente significa que o homem deva mudar de tal maneira a ponto de deixar
a sua posição original, negando-a. Mas não significa nada disto.
Tome uma ilustração. As cartas de Paulo aos tessalonicenses foram suas primeiras cartas. Nelas não há qualquer dúvida de que Paulo esperava a volta do Senhor para o seu próprio tempo. Observe suas palavras: “...nós os que estivermos vivos para a vinda do Senhor...” Em sua carta aos filipenses, Paulo já havia mudado de posição, sendo que em suas cartas a Timóteo, tal expectativa já não estava mais com ele: “...já estou sendo oferecido, e o tempo da minha partida é chegado. Combati o bom combate, acabei a carreira....” Paulo havia antecipado o veredicto de Nero. Ele sabia, agora, que não seria por meio do arrebatamento que ele iria para a glória. Estamos nós dizendo aqui que estas duas
coisas se contradizem uma à outra? Absolutamente! Em sua caminhada com o Senhor, Paulo chegou a uma revelação mais plena a respeito da vinda do Senhor, e também de seu relacionamento pessoal com Ele, mas isto não removeu ou colocou de lado, ou mudou qualquer fato acerca da doutrina que havia sido passado inicialmente em suas cartas aos tessalonicenses. Tudo o que havia sido colocado lá era totalmente inspirado, dado pelo Espírito Santo, mas ainda era passível de ser desenvolvido no coração do próprio apóstolo, e, quando ele enxergou o significado mais pleno das coisas que tinham vindo a ele inicialmente em sua vida, então descobriu que, em questões práticas, ele precisava se
ajustar. Nenhuma revelação fresca, nem avanço em compreensão, jamais o colocou em posição de ter que negar aquilo que tinha sido dado a ele por revelação em tempos anteriores. É uma questão de reconhecer que estas diferenças não são contraditórias, mas o resultado de uma revelação progressiva, suplementar, que ampliava a compreensão, uma concepção mais clara através da caminhada com o Senhor. Certamente estas são evidências de que o progresso na compreensão e entendimento de Paulo levou a ajustes.

O Eterno Propósito de Deus em Seu Filho
Agora, o grande efeito da descoberta de Paulo concernente ao Senhor na Estrada de Damasco não serviu apenas para revelar a ele o fato da filiação de Jesus (ele indubitavelmente descobriu que Jesus de Nazaré era o Filho de Deus, como mostram suas palavras em Gálatas um, versos quinze e dezesseis), mas serviu para tirar Cristo do tempo e levá-lo para junto do Pai nos “tempos eternos”. Isto, talvez, para o momento, não pareça ser muito impressionante, mas é um passo muito importante na direção daquilo que o Senhor quer nos falar. Cristo foi removido do tempo. O ‘tempo' de Cristo, isto é, a sua entrada no tempo aqui neste mundo, torna-se algo como que um parêntesis; não é a coisa principal. É principal se olharmos para ela à luz da queda e da necessidade de recuperação, mas não é, originalmente, a coisa principal do ponto de vista de Deus. Quero que você entenda isto, pois é neste ponto que entramos na maior de todas as revelações que nos foi dada a respeito do Senhor Jesus. Este efeito, em sua experiência no caminho de Damasco, esta elevação de Cristo para fora do tempo, colocando-o na eternidade, veio a estar, na concepção de Paulo, relacionada ao propósito
eterno, e no propósito eterno não havia nem queda, nem redenção. Era, por assim dizer, uma curva na linha de Deus através das eras. A linha de Deus era para seguir reto, sem desvio, sem dobra, mas, quando ela atingiu certo ponto, devido a certas contingências que jamais estiveram no propósito de Deus, ela teve que descer, e, então, subir, e prosseguir novamente adiante. As duas extremidades da linha estão no mesmo nível, na eternidade. Você pode, se quiser, imaginar uma ponte no meio desta curva, e Cristo, então, preenchendo a curva, de modo que aquilo que pertencia à eternidade não foi interrompido nele, absolutamente; continua nele. A vinda de Cristo ao mundo e toda a obra da cruz é uma outra coisa, é fruto de uma necessidade causada por certas contingências; mas em Cristo, de
eternidade a eternidade, o propósito não foi quebrado, não foi interrompido, permanece em linha reta. Não há hiato em Cristo. Isto veio a estar relacionado ao propósito. Esta é uma grande palavra de Paulo: “Conforme o eterno propósito que Ele propôs em Cristo Jesus nosso Senhor...” (Efésios 3:11); “...chamados conforme o Seu propósito” (Rom. 8:28). São concepções eternas de Cristo, e este propósito, e esses conselhos Divinos estavam relacionados ao universo e ao homem, em particular. Atravessemos esta ponte por um instante, e deixemos o outro lado, pois quero que você observe
o curso que a Carta aos Efésios toma. A carta começa com a eternidade. Ela fala muito de coisas que já existiam antes que o mundo fosse criado, e volta a este ponto. Só no meio a carta fala de redenção, não voltando mais a falar deste assunto até que tenha a eternidade passada em vista. A redenção vem para preencher uma lacuna e, então, seguimos de volta para a eternidade.
Deixe agora esta lacuna por um instante. Naturalmente ela nos interessa muito, e teremos que voltar a ela, pois tudo está ligado à redenção, no que tange a nós dentro do propósito eterno; mas deixe-a por um momento e volte a sua atenção para a outra direção. Está definitiva e claramente declarado que todo o plano de Deus sem a redenção já estava completo nos conselhos eternos acerca de Seu Filho, Jesus Cristo, e, neste plano, as eras foram criadas: “...a plenitude dos tempos...” a frase é usada aqui em nossa tradução.
Tenho ouvido tais frases no Novo Testamento interpretadas como sendo as mesmas dispensações que conhecemos na Bíblia; a dispensação de Abraão, a dispensação da Lei, a dispensação da Graça. Eu me pergunto se isto está correto.
Grave a seguinte expressão: “...por meio de quem também fez as eras” (Heb. 1:2; R.V.M.). Vamos pensar novamente.
Estamos nós corretos ao dizer que isto se aplica ao que chamamos de dispensações tais como mostradas na Bíblia?
Sem querer ser dogmático, tenho uma pergunta. Podemos nós dizer que nos conselhos eternos de Deus, em relação ao Seu eterno propósito concernente ao Filho, uma dispensação da Lei teve lugar? Um tempo como a era do Velho Testamento, aqueles períodos de Adão a Abraão, de Abraão a Moisés, de Moisés a Davi, de Davi ao Messias? Seriam essas as eras referidas? Será que Deus criou tais períodos em relação ao propósito eterno? Lembre-se de que toda a obra criadora se deu EM, ATRAVÉS DE, e PARA o Seu Filho, conforme o propósito eterno.
Ainda há eras e mais no porvir. Existem marcas através da eternidade que não são marcas de “tempo”, no sentido nosso da palavra, mas pontos de emersões, de desenvolvimento, de progresso, de aumento, de alargamento. Tivéssemos, eu e você, nascidos no Dia de Pentecoste, e vivido desde lá até o retorno do nosso Senhor (esta é uma dispensação conforme a ordem e contagem deste mundo) jamais teríamos descoberto todo o significado de Cristo. Teríamos descoberto alguma coisa e alcançado certo ponto no conhecimento de Cristo, mas precisaríamos, então, de uma outra
era, em condições diferentes, para descobrir coisas que jamais seriam possíveis aqui nesta vida; e quando tivéssemos nos beneficiado desta possibilidade, provavelmente, além dela, existiriam outras novas possibilidades. Não haverá estagnação na eternidade — “... do aumento de seu governo... não haverá fim...” (Isa. 9:7).
Agora, deixe de lado o lamentável quadro da história deste mundo, desde a queda até a recuperação de todas as coisas, e você tem o lançamento das eras nas quais toda a plenitude de Deus em Cristo poderia ser revelada e aprendida progressivamente, através de sucessivas eras, com alargamento e mudança de condições, de facilidades e de habilidades. Este é o significado de crescimento espiritual. Até mesmo a nossa própria vida cristã aqui neste mundo, curta do jeito que é, se for uma vida genuína, que se move sob o poder do Espírito Santo, também é semelhante a uma
série de eras, em resumo. Começamos como crianças, e adquirimos o que podemos na condição de crianças. Então, chegamos a um ponto onde temos a nossa capacidade aumentada, onde nossos sentidos espirituais são exercitados. E isto, novamente, resulta numa maior compreensão de Cristo, e, então, um pouco mais tarde, na medida em que avançamos, ainda encontramos esses poderes aumentando, sob o Espírito Santo, e, na medida em que os poderes aumentam, percebemos que ainda há mais terreno a ser ocupado do que jamais imaginamos. Quando crianças, achávamos que tínhamos alcançado tudo! Naturalmente, este é um dos sinais da infância e da juventude. O que se
aproveita em nossa idade adulta é o fato de que reconhecemos que existe um vasto terreno à nossa frente, acenando para nós, impedindo que nos acomodemos. É uma eterna juventude!
Assim, deixando todo este estado decadente da criação, você pode ver a criação das eras em Cristo, por Cristo, e através de Cristo, conforme o eterno propósito de Deus de convergir todas as coisas nele; não apenas “todas as coisas” desta nossa pequena vida, deste nosso pequeno dia, desta nossa salvação individual, mas “todas as coisas” deste vasto universo como uma revelação de Cristo, tudo sendo trazido por revelação à compreensão espiritual do homem, e o homem sendo levado a esta experiência. Que Cristo!
Foi isto que Paulo viu; e isto pode muito bem ser resumido em suas próprias palavras: “...a excelência do conhecimento (aquele conhecimento que excede) de Jesus Cristo, meu Senhor.” É Paulo já velho dizendo, “para que eu possa conhecê-lo”. Cristo está acima do tempo, e o tempo, no que se refere a Cristo, somente foi associado à eternidade por causa da necessidade da redenção no propósito eterno.
Devemos nos deter aqui por um instante, mas, ao fazermos isto, permita-me dizer que, com sua concepção sempre crescente de Cristo, houve um correspondente aumento em sua concepção em relação aos crentes. Os crentes assumiram um significado tremendo. Salvar homens do pecado, da morte, do inferno, levando-os para o céu, não era nada em comparação ao que Paulo via em relação ao significado de um crente agora. Tudo o que ele tinha visto a respeito de Cristo em Seu propósito eterno – eterno, universal, vasto, infinito – agora se referia aos crentes: “Assim como nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos ... com o fim de sermos para o louvor de sua glória”
nas eras vindouras (Efésios. 1:4,12). Os crentes também são levados para fora do tempo, e ganham um significado totalmente diferente daquele que eles têm aqui. Falaremos mais disto.
Houve uma terceira coisa. Paulo foi capaz de mostrar corretamente o alcance e o lugar da redenção. A redenção podia ser vista em sua extensão plena e como sendo algo mais do que simplesmente pertencente ao tempo. Ela é chamada de “eterna redenção”. A redenção é algo mais do que salvar homens e mulheres do pecado e de seu estado pecaminoso. É projetar todas as coisas para os estágios finais deste universo, tocando todos os seus poderes; é unir a eternidade passada com a que ainda está por vir, é abraçar todas as forças deste universo para a redenção do homem. Paulo é
capaz de mostrar precisamente o significado, o valor e o alcance da redenção, e, também, de colocá-la em seu devido lugar, e isto é importante.
Agora, essas são coisas grandiosas. Todas elas precisam ser dissecadas, e o Senhor pode nos capacitar a fazer isto, mas, se você não conseguiu compreender o que foi dito até aqui, irá apreciar o seguinte, que Cristo é infinitamente maior do que eu e você jamais imaginamos. Esta é a coisa que muito fortemente chega até nós através de Paulo. Ele começou com um Messias Judaico relativamente pequeno, e terminou com um Cristo que estava muito além de tudo aquilo que ele jamais tinha visto ou conhecido, de modo que o seu último grito foi: “para que eu possa conhecê-lo....” e isto irá
demandar toda a eternidade. Que Cristo! É Cristo quem irá nos remover daqui, que irá nos libertar; mas deixe-me dizer o seguinte, isto não acontecerá por meio de Ele vir e colocar Suas mãos sobre nós e nos levantar, mas através do ser Ele revelado em nossos corações. Como foi que Paulo conseguiu deixar suas concepções judaicas estreitas a respeito do Messias? Simplesmente por meio da revelação de Cristo nele, e, à medida que esta revelação crescia, sua libertação também aumentava. Houve algumas coisas que ele não abandonou por um bom período de tempo. Ele se apegou a
Jerusalém quase que até o final da sua vida. Paulo ainda nutria um forte afeto por seus irmãos segundo a carne, e fez muitas tentativas para libertá-los, no plano físico. Mas, finalmente, ele entendeu o significado do Cristo Celeste, a tal ponto de tornar possível a ele escrever a carta aos efésios, aos colossenses, e, então, o judaísmo, como tal, Israel segundo a carne, cessou de ter qualquer importância para ele. Era a revelação de Cristo que o estava emancipando, levando-o para fora, libertando-o o tempo todo. É desta maneira que Cristo é o nosso libertador e emancipador. É
apenas o Senhor Jesus quem precisamos conhecer. Tudo o que é pequeno irá perder o seu valor quando conhecermos a Cristo. Tudo que pertence a terra e ao tempo irá desaparecer quando virmos a Cristo, e, no fundo de nossas vidas, haverá algo capaz de nos sustentar através das dificuldades e das horas más. Veremos a grandeza de Cristo e a correspondente grandeza da nossa salvação “...conforme o seu propósito eterno…”


OUÇA O AUDIOLIVRO DA PREGAÇÃO ACIMA ATRAVÉS DO LINK ABAIXO:

> A Administração do Mistério Capitulo 01 - T.A.Sparks


CONHEÇA TAMBÉM NOSSAS PLAYLISTS ABAIXO:

> NOSSAS PLAYLISTS


                                                        SOLI DEO GLORIA

12 fevereiro, 2019

Watchman Nee Acerca dos Últimos Dias

(Obs: Irmãos, convêm-nos saber que as palavras abaixo de autoria do irmão Watchman Nee foram redigidas há aproximadamente 70 anos atrás)

Disse ele:

Antes da vinda do Senhor, haverá muita fraude e muito erro; e, se fosse possível, até os escolhidos seriam enganados. A "forma da piedade" será aumentada. A fé será diminuída por causa de credos falsos, engendrados por Satanás, e também o amor pelo mundo e a negação da palavra de Deus. Um irmão disse bem: tais obras satânicas produzirão um efeito intangível que nos envolverão como o ar. Haverá uma forma de piedade exterior, mas por dentro estará cheia de maus espíritos e da melancolia do inferno. Esses espíritos malignos farão o máximo para desviar e oprimir os filhos de Deus. Atacarão nosso corpo, diminuirão nossa vontade e embrutecerão nossa mente. Toda espécie de sensações e provações estranhas nos sobrevirão, fazendo-nos perder o desejo de buscar a Deus e a força de fazê-lo, cansando nosso espírito, embotando nossa mente e tornando-a entorpecida e, ao mesmo tempo, fazendo-nos estranhamente amar os prazeres e costumes do mundo como também cobiçar as coisas proibidas por Deus.
Perderemos a liberdade e o poder de pregar; não poderemos nos concentrar para ouvir as mensagens; e seremos incapazes de nos ajoelhar para orar dedicadamente por algum período mais longo. Tais trevas e tal atmosfera deverão ser enfrentadas com resolução. Sem dúvida Satanás procura obscurecer nossa mente e vontade com uma espécie de poder inconcebível para que se torne extremamente difícil andar com Deus e muito fácil viver de acordo com a carne. Acharemos que é difícil servir a Deus fielmente e orar com perseverança, como se tudo dentro de nós se levantasse para impedir-nos de seguir o Senhor Jesus até o fim e fazer-nos concordar com o mundo.
A atmosfera à nossa volta nos obrigará a trair a Deus e a desistir de nossas sinceras orações. Embotará nossa sensibilidade espiritual para que não vejamos as realidades celestiais ou a gloriosa presença do Senhor. Assim facilmente negligenciaremos a comunhão com Deus e descobriremos que é difícil manter comunhão com ele.
Já estamos sentindo o começo destas influências. A concupiscência do mundo tece sua rede extensa de muitas maneiras à volta dos crentes. Torna-se cada vez mais apertada e mais forte com o passar do tempo. Muitas coisas que nas gerações passadas eram inimagináveis agora estão sendo praticadas sem restrição. Muitos lugares de adoração não só resistem à entrada de coisas espirituais, bloqueando reavivamentos, mas também introduzem toda espécie de festejos e coisas duvidosas.
Falando de um modo geral, em todo o mundo, a diminuição da fé e o desenvolvimento da apostasia são evidentes. Naturalmente, reconhecemos que ainda há muitos lugares abençoados por Deus. Mas examinando a situação da igreja no mundo inteiro como um todo, não deixa de apresentar um quadro digno de dó.
Tendo visto estas coisas, não podemos deixar de gritar à igreja de Deus que se levante, que desperte, que retorne à comunhão com Deus e que agrade ao Senhor no tempo que ainda resta. Estejamos preparados para comparecer diante do tribunal de Cristo e apresentar o nosso caso.

"Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do SENHOR nasce sobre ti. Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti aparece resplendente o SENHOR, e a sua glória se vê sobre ti. As nações se encaminham para a tua luz, e os reis, para o resplendor que te nasceu. Levanta em redor os olhos e vê; todos estes se ajuntam e vêm ter contigo; teus filhos chegam de longe, e tuas filhas são trazidas nos braços."

(Isaías 60:1-4)



ASSISTA AO VÍDEO REFERENTE A ESSE FRAGMENTO ABAIXO:

> Indícios da nossa era antes do retorno do Senhor

03 fevereiro, 2019

A Doutrina da Justificação (A.W.Pink)

INTRODUÇÃO

Nosso primeiro pensamento foi dedicar um capítulo introdutório expondo os principais
erros que se têm gerado sobre este tema por parte de distintos homens e grupos, porém,
depois de uma maior reflexão, decidimos que isto seria de pouco ou de nenhum proveito
à maioria de nossos leitores. Apesar de haver tempos, sem dúvida, nos quais é o
desagradável dever dos servos de Deus expor o que está enganando e prejudicando o
Seu povo, não obstante, como uma regra geral, a maneira mais eficaz de eliminar as
trevas é deixar entrar a luz. Desejamos, então, escrever estes artigos com o mesmo
espírito do piedoso John Owen, o qual, na introdução a seu extenso tratado sobre este
tema, disse: “Deve dar-se mais importância à contínua orientação da mente e da
consciência de um crente, verdadeiramente treinado acerca do fundamento de sua paz e
aceitação diante de Deus, do que à contradição de uma dezena de agressivos
opositores.... Afirmar e reivindicar a verdade na instrução e na edificação dos que a
amam em sinceridade, livrar suas mentes daquelas dificuldades sobre este caso
particular, que alguns intentam arrojar sobre todos os mistérios do evangelho, dirigir as
consciências daqueles que querem saber acerca de alcançar a paz com Deus, e
estabelecer as mentes dos que crêem, são as coisas à que me tenho proposto.”
Houve um tempo, não faz muito, quando a bendita verdade da justificação era uma das
mais conhecidas doutrinas da fé cristã, quando ela era assiduamente explicada pelos
pregadores, e quando o conjunto dos assistentes das igrejas estava familiarizado com
seus aspectos principais. Porém agora ─ ah! ─ tem surgido uma geração que é quase
totalmente ignorante deste precioso tema, porque com mui raras exceções já não se lhe
dá mais um lugar no púlpito, e apenas se escreve algo sobre este nas revistas religiosas
de nosso dia; e, em conseqüência, comparativamente, poucos entendem o que o termo
em si implica, menos ainda se tem em claro sobre que base Deus justifica o ímpio. Isto
põe o escritor numa considerável desvantagem, pois apesar dele desejar evitar um
tratamento superficial de um assunto tão vital, todavia, aprofundar nele, e entrar nos
detalhes, fará uma pesada exigência à mentalidade e paciência da pessoa mediana. Não
obstante, respeitosamente instamos a cada cristão a fazer um esforço real para cingir os
lombos de seu entendimento e buscar em oração dominar estes capítulos.
O que tornará mais difícil seguirmos através destas séries é o fato de que estamos
tratando o lado doutrinal da verdade, antes que o prático; o judicial, antes que o
experimental. Não que a doutrina seja algo impraticável; de modo algum; longe, longe
disso. “Toda Escritura é divinamente inspirada e útil (primeiro) para ensinar, (e depois)
para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Tim. 3:16). A instrução
doutrinal foi sempre a base a partir da qual os apóstolos promulgaram os preceitos para
regular o modo de andar. Não pode encontrar-se exortação alguma até o capítulo 6 da
Epístola aos Romanos: os primeiros cinco estão dedicados inteiramente à exposição
doutrinal. Assim também na Epístola aos Efésios: em 4:1 é dada a primeira exortação.
Primeiro os santos são recordados das abundantes riquezas da graça de Deus, para que o
amor de Cristo possa impulsionar-lhes, e logo são encorajados a andar como é digno da
vocação com que foram chamados.
Embora seja verdade que se requer um esforço mental real (assim como um coração
piedoso) para poder captar inteligentemente algumas das mais sutis distinções que são
essenciais para uma apropriada compreensão desta doutrina, contudo, deve assinalar-se
que a verdade da justificação está longe de ser uma mera peça de especulação abstrata.
Não, ela é uma enunciação de um ato divinamente revelado; ela é uma enunciação de
um ato no qual cada membro de nossa raça humana deveria estar profundamente
interessado. Cada um de nós tem perdido o favor de Deus, e cada um de nós necessita
recuperar Seu favor. Se não o recuperarmos, então as conseqüências devem ser nossa
absoluta ruína e a irremediável perdição. Como seres caídos, como rebeldes culpáveis,
como pecadores perdidos, somos restaurados no favor de Deus, e se nos dá uma posição
diante dEle inestimavelmente superior à que ocupam os santos anjos; com a ajuda do
Senhor, nossa atenção será atraída à medida que prosseguirmos com nosso tema.
Como disse Abraham Booth em seu esplêndido trabalho “O reino da graça” (escrito em
1768): “Longe de ser um ponto somente teórico, este propaga sua influência através do
conjunto inteiro da teologia, flui através de toda a experiência cristã, e opera em cada
parte da santidade prática. Tal é sua grande importância, que um erro acerca deste tem
uma eficácia maligna, e é acompanhado com uma série de perigosas conseqüências.
Nem pode isto parecer estranho, quando se considera que esta doutrina da justificação
não é outra senão a maneira para que um pecador seja aceito por Deus. Sendo de tão
especial importância, ela está inseparavelmente conectada com muitas outras verdades
evangélicas, das quais não podemos contemplar a harmonia e a beleza, enquanto esta
seja mal compreendida. Até que esta doutrina apareça em sua glória, essas verdades
estarão na escuridão. Esta é, se assim poder ser chamada, um artigo fundamental; e
certamente requer nossa mais séria consideração” (de seu capítulo sobre “A
Justificação”).
A grande importância da doutrina da justificação foi sublimamente expressa pelo
puritano holandês, Witsius, quando disse: “Ela ajuda muito a revelar a glória de Deus,
cujas mais destacadas perfeições resplandecem com um lustre eminente neste assunto.
Ela manifesta a infinita bondade de Deus, pela qual Ele esteve predisposto a prover a
salvação gratuitamente para o perdido e miserável homem, ‘para o louvor e glória de
Sua graça’ (Ef. 1:6). Ela mostra também a mais estrita justiça, pela qual Ele não
passaria por alto nem a menor ofensa, exceto com a condição do compromisso
adequado, ou a plena satisfação do Mediador, ‘para que Ele seja justo, e justificador
daquele que tem fé em Jesus’ (Rom. 3:26). Esta doutrina mostra além do mais a
inescrutável sabedoria da divindade, a qual descobriu uma maneira para exercer o mais
benevolente ato de misericórdia, sem infringir a Sua mais absoluta justiça e a Sua
verdade infalível, que ameaçavam de morte ao pecador: a justiça demandava que a alma
que pecasse deveria morrer (Rom. 1:32). A verdade tem pronunciado as maldições por
não se obedecer ao Senhor (Deut. 28:15-68). A bondade, ao mesmo tempo, foi inclinada
a decretar a vida à alguns pecadores, porém de nenhuma outra forma diferente daquela
que era própria da majestade do santíssimo Deus. Aqui a sabedoria intervêm, dizendo:
‘Eu, eu sou o que apago tua transgressões por amor de mim; e eu não me lembrarei de
teus pecados’ (Isa. 43:25). Nem a justiça de Deus ou a Sua verdade terão alguma causa
de reclamação porque o pagamento completo será feito para você por um mediador.
Portanto, a incrível benevolência do Senhor Jesus resplandece, quem, ainda que Senhor
de tudo, esteve sujeito a lei, não para a obediência dela somente, porém também para a
maldição: ‘Ao que não conheceu pecado, por nós se fez pecado, para que fôssemos
feitos justiça de Deus nEle’ ” (2 Cor. 5:21).
Não deveria a alma piedosa, que está profundamente comprometida na fervente
meditação destas coisas, ascender-se em adorações a um Deus que justifica, e cantar
com a igreja: “Que Deus como tu, que perdoas a maldade, e esqueces o pecado?”
(Miqueias 7:18) ?. Oh, a pureza dessa santidade que prefere castigar os pecados do
escolhido em Seu Filho Unigênito, antes que suportar deixar-lhes impunes ! Oh, a
profundidade de Seu amor para com o mundo, para o qual Ele não poupou a Seu
entranhável Filho, a fim de resgatar a pecadores ! Oh, a profundidade das riquezas de
insondável sabedoria, pela qual Ele provê Sua misericórdia para o culpado arrependido,
sem mancha alguma a honra do Juiz mais imparcial ! Oh, os tesouros de amor em
Cristo, pelo qual Ele se fez maldição por nós, a fim de livrar-nos desta ! Quão próprio
da alma justificada, que está preste a se fundir no sentimento deste amor, com pleno
júbilo é cantar um cântico novo, um cântico de mútuo retorno de amor ao Deus que
justifica.
Tão importante considerava o apóstolo Paulo a esta doutrina que, sob a direção do
Espírito Santo, a mais sobressalente de suas epístolas no Novo Testamento está
dedicada a uma completa exposição dela. O eixo sobre o qual gira todo o conteúdo da
Epístola aos Romanos é aquela notável expressão: “a justiça de Deus” - comparada a
qual não há nada de maior importância que possa ser encontrado em todas as páginas
das Sagradas Escrituras, e é necessário que cada cristão faça o máximo esforço para
entendê-la claramente. Esta é uma expressão abstrata que significa a satisfação de Cristo
em sua relação à Lei Divina. É um nobre descritivo para a causa essencial da aceitação
do pecador diante de Deus. “A justiça de Deus” é uma frase referida ao trabalho
terminado do Mediador como aprovado pelo tribunal divino, sendo a causa meritória de
nossa aceitação diante do trono do Altíssimo.
Nos seguintes capítulos (com a ajuda do Senhor) examinaremos em mais detalhe esta
vital expressão “a justiça de Deus”, que dá a entender essa perfeita compensação que o
Redentor ofereceu à justiça divina em benefício e em lugar daquele povo que Lhe tinha
sido dado. Por agora, seja suficiente dizer que essa “justiça” pela qual o pecador crente
é justificado é chamada “a justiça de Deus” (Rom. 1:17; 3:21) porque Ele é o
encarregado, aprovador, e doador dela. Ela é chamada “a justiça de nosso Deus e
Salvador Jesus Cristo” (2 Pedro 1:1) porque Ele a consumou e apresentou diante de
Deus. Ela é chamada “a justiça da fé” (Rom. 4:13) porque a fé é a que a apreende e a
que a recebe. Ela é chamada “justiça do homem” (Jó 33:26) porque ela foi paga para ele
e imputada a ele. Todas estas variadas expressões se referem a muitos aspectos daquela
perfeita obediência até a morte que o Salvador efetuou em favor de Seu povo.
Sim, o apóstolo Paulo, sob a direção do Espírito Santo, estimava a esta doutrina como
algo tão vital, que ele apresenta extensamente como a negação e perversão dela por
parte dos judeus foi a causa principal pela qual eles foram desaprovados por Deus: ver
os versículos finais de Romanos 9 e o começo do capítulo 10. Novamente, através de
toda a Epístola aos Gálatas, encontramos ao apóstolo empenhado na mais vigorosa
defesa e contendendo com grande zelo com aqueles que haviam atacado esta verdade
básica. Ali, ele fala do ensinamento oposto como destrutivo e mortífero para as almas
dos homens, como uma agressão à cruz de Cristo, e chama a esse ensinamento outro
evangelho, declarando solenemente “ainda se nós ou um anjo do céu vos anunciar outro
evangelho...seja anátema” (Gálatas 1:18). Que pena, que sob a ampla liberdade e sob a
falsa “caridade” de nossos tempos, há agora tão pouco santo aborrecimento dessa
pregação que repudia a obediência vicária de Cristo que é imputada ao que crê.
Mediante Deus, a pregação desta grande verdade causou o maior avivamento que a
causa de Cristo gozou deste os dias dos apóstolos. “Esta foi a grandiosa, fundamental e distinta doutrina da Reforma, e foi estimada por todos os reformadores como a primária
e suprema importância. A principal acusação que eles sustentavam contra a Igreja de
Roma foi que ela havia corrompido e pervertido a doutrina das Escrituras sobre esta
questão em uma forma que era perigosa para as almas dos homens; e foi principalmente
pela exposição, o estrito apego, e a aplicação da verdadeira doutrina da palavra de Deus
com respeito a isto, que eles atacaram e transtornaram as principais doutrinas e práticas
do sistema papal. Não há assunto que possua uma importância mais intrínseca que o que
se relaciona com este, e não há outro com respeito ao qual os reformadores estiveram
mais completamente de acordo com suas convicções' (W. Cunningham).
Esta bendita doutrina provê o tônico divino para reanimar a um cuja alma está abatida e
cuja consciência está intranquila por um profundo sentimento de pecado e culpa, e
deseja conhecer o caminho e os meios pelos quais poderia obter a aceitação para com
Deus e o direito à herança celestial. Para um que está profundamente convencido de que
tem sido toda sua vida um rebelde contra Deus, um constante transgressor de Sua Santa
Lei, e que compreende que está com justiça sob a condenação e ira de Deus, nenhuma
busca pode ser de tão profundo interesse e urgente importância como aquela que se
relaciona com os meios para recuperar o favor divino, o perdão de seus pecados, e o
fazer-lhe apto para permanecer confiado na presença divina: até que este ponto vital
tenha sido aclarado para saciar seu coração, toda outra informação religiosa será
totalmente inútil.
“As demonstrações da existência de Deus só serviriam para confirmar e gravar mais
profundamente sobre sua mente a terrível verdade que ele já crê, que há um Juiz Justo,
diante do qual deve comparecer, e por cuja sentença será estabelecida sua condenação
final. Explicar-lhe a lei moral, e inculcar-lhe as obrigações a obedecer, obrará como um
acusador público, quando este cita as leis da região a fim de mostrar que as acusações
que tem trazido contra o criminoso na corte estão bem estabelecidas, e,
consequentemente, que ele é digno de punição. Quanto mais fortes são os argumentos
pelos quais você faz evidente a mortalidade da alma, mais claramente prova que seu
castigo não será temporário, e que há outro estado de existência, no qual ele será
totalmente recompensado de acordo com seu merecimento” (J. Dick).
Quando o próprio Deus chega a ser uma realidade viva para a alma, quando Sua terrível
majestade, Sua infalível santidade, Sua justiça inflexível, e Sua autoridade soberana, são
realmente percebidas, ainda que mui inadequadamente, a indiferença a Suas demandas
agora dá lugar a uma séria preocupação. Quando há um adequado sentimento da
magnitude de nossa separação com Deus, da depravação de nossa natureza, do poder e
vileza do pecado, da espiritualidade e severidade da lei, e das eternas chamas que
esperam aos inimigos de Deus, as almas despertadas gritam: “Com que me apresentarei
ao Senhor, e me inclinarei diante do Deus altíssimo ? Apresentar-me-ei diante dEle com
holocaustos, com bezerros de um ano ? Agradar-se-á o Senhor de milhares de carneiros,
ou de dez mil ribeiros de azeite ? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o
fruto do meu ventre pelo pecado de minha alma ?” (Miquéias 6:6,7). Então a pobre alma
exclama: “Como pois se justificará o homem com Deus, e como seria puro aquele que
nasce de mulher?” (Jó 25:4). E é na bendita doutrina que está agora por ser posta diante
de nós, onde se nos explica o método pelo qual um pecador pode obter paz com seu
Criador e imergir à possessão da vida eterna.
Novamente; esta doutrina é de inestimável valor para o cristão com uma consciência
despertada, que cada dia geme por sentir sua intrínseca corrupção e as inumeráveis
falhas comparando-se com o estandarte que Deus tem posto diante dele. O Diabo, que é
“o acusador de nossos irmãos” (Apoc. 12:10), freqüentemente acusa com hipocrisia ao
crente diante de Deus, inquieta sua consciência, e pretende convencer-lhe que sua fé e
sua piedade são nada mais que uma máscara e uma aparência para o exterior, pelos
quais ele não somente engana a outros, senão também a si mesmo. Porém, graças a
Deus, Satanás pode ser vencido pelo “sangue do Cordeiro” (Apoc. 12:11): olhando
longe do incuravelmente depravado eu, e contemplando ao Fiador, que tem respondido
plenamente por cada falta do cristão, perfeitamente expiado cada pecado deste, e lhe
proporcionado uma “justiça eterna” (Dan. 9:24), que foi posta em sua conta na elevada
corte do Céu.. E deste modo, ainda que gemendo por suas fraquezas, o crente pode
possuir uma confiança vitoriosa que o eleva sobre todo temor.
Isto foi o que trouxe paz e regozijou ao coração do apóstolo Paulo: porque apesar de que
em um instante exclamou: “Miserável homem que sou ! quem me livrará do corpo desta
morte?” (Rom. 7:24), em seguida ele declarou: “Agora pois, nenhuma condenação há
para os que estão em Cristo Jesus” (Rom. 8:1). Ao que adicionou: “Quem intentará
acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica; Quem os condenará?
Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à
direita de Deus, e também intercede por nós; quem nos separará do amor de Cristo?
(vers. 33-35). Possa o Deus de toda graça dirigir nossa caneta e abençoar o que
escrevemos para os leitores, que não poucos dos que estão agora nas sombrias prisões
do Castelo da Dúvida, possam ser conduzidos dentro da gloriosa luz e liberdade da
plena certeza da fé.




Fonte: Introdução: A Doutrina da Justificação (A.W.Pink)

LEIA OS CAPÍTULOS ABAIXO:


CAPÍTULO 01

> CAPÍTULO 02 

> CAPÍTULO 03

> CAPÍTULO 04

> CAPÍTULO 05

> CAPÍTULO 06

> CAPÍTULO 07

> CAPÍTULO 08

> CAPÍTULO 09

30 janeiro, 2019

Em Adão ou em Cristo (T.A.Sparks)



Leitura: Rm 5.12-19; 1Co 15.5-49; Cl 2.11-13; 3.1-3

Essas passagens colocam diante de nós várias coisas bem precisas. Elas nos trazem uma série de dísticos, de duplas.

Dois homens
Em primeiro lugar, elas apresentam dois homens, Adão e Cristo, e os apresentam como dois homens raciais, ou seja, dois homens que são a cabeça e o representante inclusivo de duas raças diferentes. E elas tornam perfeitamente claro que é impossível estar em ambos os homens ao mesmo tempo ou pertencer a ambas raças. Se você está vivo em Adão, está morto para Cristo. Se você está vivo em Cristo, está morto para Adão. Esses dois, portanto, são definidos por nenhum fato menor, menos importante, do que vida e morte, e essas duas coisas são bem separadas, pois é muito diferente, no sentido divino, estar vivo de estar morto no sentido divino.

Dois homens – e a Palavra de Deus diz que estamos em um ou em outro. Por natureza, não podemos mudar isso por nós mesmos, não temos escolha. Nós nascemos em e de Adão. Ele é nossa cabeça natural, o progenitor de nossa raça e de nossa ordem naturais. Estamos nele por natureza, e não podemos deixar de estar. E, ainda assim, Deus fez provisão para que saíssemos de Adão, para que não tivéssemos mais de estar em Adão, mas pudéssemos estar em Cristo. Ele diz: “Todos morrem em Adão” (1 Co 15.22) ou: “Todos estão mortos”. A morte reina sobre toda a raça de Adão. Em Cristo, todos estão vivos, pois Cristo está vivo e vive no pleno sentido divino. Mas surge a pergunta: “Como podemos sair de Adão e entrar em Cristo?” E esse é o ponto sobre o qual vamos concentrar nossa meditação hoje, quando passamos pelas outras verdades que se apresentam naquelas passagens.

Há dois homens, para começar, e eles são totalmente separados. Eles não têm nenhuma amizade, nenhum relacionamento, nenhuma comunhão, nada em comum. Adão e Cristo são dois tipos distintos e pertencem a dois mundos e reinos distintamente diferentes, e, fora de Cristo, estamos em Adão. Em Adão, estamos fora de Cristo. Em Cristo, não estamos mais em Adão. É isso que a Escritura torna perfeitamente claro e é assim que temos perfeita clareza sobre isso. Há um grande empenho sendo feito hoje para, de alguma forma, criar uma ponte sobre essa separação, a fim de atravessá-la, para torná-la menos diferente e distinta do que é. Você encontra pessoas trabalhando com o objetivo de tentar levar outras pessoas para Cristo indo à terra delas, considerando onde elas estão e tentando encontrá-las em seu próprio território. Isso é apresentado numa frase muito comum: “É preciso encontrar as pessoas em seu próprio território 1”, mas isso é um erro fatal quando você está procurando trazer as pessoas para o terreno de Cristo. Muitas vezes ouvimos de coisas sendo feitas e de métodos sendo adotados a fim de tentar ganhar pessoas para Cristo por considerar cuidadosamente o que preocupa as pessoas ou tendo as pessoas em vista. Por exemplo, considere uma turma de estudantes. Para ganhá-los, você deve ir ao território dos estudantes, assumir uma posição intelectual e lidar com eles segundo uma linha intelectual. Isso é tomar uma base natural, e nunca resulta realmente em uma posição definida e real em Cristo. E em muitas outras áreas esse tipo de coisa é feita.

Eles não têm nenhuma amizade, nenhum relacionamento, nenhuma comunhão, nada em comum.

O Senhor Jesus sabia muito bem, como alguém que sabia de tudo, que esse tipo de coisa não pode funcionar. Aproximou-se Dele aquele que era um bom homem: Nicodemos. Nicodemos era, em primeiro lugar, um homem naturalmente religioso e, sem dúvida, um homem educado, e, por fim, um homem de posição social e de influência, um homem que tinha conquistado muitas coisas em seu próprio lado da natureza, as quais lhe deram uma base e feito dele alguém. Ele veio ao Senhor Jesus e começou a falar sobre seu próprio procedimento, de seu próprio caminho. “Bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus” (Jo 3.2). “Pare, Nicodemos! Você não pode ir mais longe. Se você veio para obter ajuda de Mim, Eu não posso ajudá-lo enquanto você não ver para Meu terreno. Você está em um reino, Eu estou em outro. Você pertence a um homem; Eu sou totalmente outro homem. Eu não posso seguir com você em seus passos. Nicodemos, se quiser ter alguma coisa de Mim, você deve nascer de novo, você deve nascer de cima. Você deve vir para Meu terreno, sair de seu próprio terreno. Eu não posso encontrar você .” Ele parou a coisa toda de uma vez e colocou a questão: “Somos dois homens diferentes. Você pertence a uma raça, Eu pertenço a outra. Você pertence a um mundo, Eu pertenço a outra. Há muitas coisas boas sobre você para seu mundo, mas, no Meu mundo, elas não têm importância. Você tem de sair de um para o outro e reconhecer que nada do que está em Adão tem qualquer valor quando se trata de salvação. Não, há uma grande lacuna entre nós e nada pode preenchê-la. Você tem de sair desse terreno e ir para outro antes que possa haver um real começo em entender as coisas de Cristo.”

Dois nascimentos
Dois homens que representam dois reinos e duas naturezas tão absoluta e completamente diferentes tornam fazer a comunhão entre si completamente impossível. Bem, dois homens: isso é o que está estabelecido, e temos de ser muito francos sobre isso. Vamos reconhecer isso e sempre apresentá-lo para as pessoas e nunca tentar ir para o terreno delas e tomar a posição delas, na esperança de ganhá-las para o nosso ou para o de Cristo. Não vai funcionar. Temos de estar no terreno de Cristo e dizer: “Você precisa nascer de novo antes que possa ter um começo, antes que possa ter o primeiro vislumbre da luz ou da vida no que diz respeito ao céu”. Assim, os dois homens, como essas palavras deixam claro, representam dois nascimentos: “O que é nascido da carne”, como o Senhor Jesus disse a Nicodemos, “é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (v. 6) – dois nascimentos distintos. O nascimento em Adão é o nascimento segundo a carne. O nascimento em Cristo é o nascimento do Espírito. “Você deve nascer de novo.”

Duas hereditariedades
Depois, por causa dos diferentes nascimentos certamente haverá duas hereditariedades: a que o Novo Testamento chama de “o velho homem” e a que é chamada de “o novo homem”. Sabemos muito bem que temos nosso homem velho por hereditariedade; temos a hereditariedade de Adão. Nós não estamos apenas em Adão pelo nascimento, mas Adão está em nós pelo nascimento. Quando os filhos de Israel estavam no Egito, eles estavam no Egito, e então Deus os tirou do Egito, mas por 40 anos ficou bastante claro que o Egito não havia saído deles. Este era o problema: durante 40 anos no deserto, o Egito que neles estava foi sendo tratado. O coração deles estava sempre ligado com o Egito. A única coisa que se tornou tão manifestamente necessária era que o Egito no coração tinha de ser suplantado pela Terra da Promessa, e aquelas pessoas que não tinham a terra no coração pereceram no deserto porque o Egito ainda estava em seu coração, mas a nova raça, a nova geração, em cujo coração a terra estava, entrou e a possuiu. Estamos em Adão, mas Adão está em nós também. Temos a hereditariedade de Adão e sabemos disso muito bem. Mas há também outro aspecto.

Quando estamos em Cristo, quando nascemos de novo do Espírito, então, temos a nova hereditariedade. Nós herdamos o que há em Cristo. Pedro fala de nos tornarmos “participantes da natureza divina” (2Pe 1.4). É implantada em nós no novo nascimento a hereditariedade do Senhor Jesus Cristo. Nós herdamos algo por nascermos Dele, e isso está em Cristo como está em nós, que é a esperança de tudo. Como Paulo afirmou: “Cristo em vós, a esperança da glória” (Cl 1.27). Agora, não somente em Cristo, mas Cristo em nós pelo novo nascimento, de modo que não é só que viemos para o reino do cristianismo, uma esfera chamado “Cristo”, mas que entraram em nós as poderosas energias da própria vida de Cristo e da própria disposição e natureza de Cristo a crescer. Assim como o que nasce no corpo se manifesta mais cedo ou mais tarde em natureza – e toda nossa vida natural nada mais é do que o desdobramento gradual do que está em nós por natureza, e quanto mais velhos ficamos, mais consciente de que somos como certas pessoas que existiram antes de nós, quantos vestígios de nossos antepassados somos capazes de descobrir –, assim é em Cristo. Conforme avançamos, se de fato seguimos em Cristo, o que herdamos Dele cresce e se torna cada vez mais evidente.

Dois cursos
Então, há dois cursos. Há o curso de Adão e o curso de Cristo. O curso de Adão é chamado, ou denominado, de “terreno, da terra”. Uma vez que Adão pecou e caiu, seu curso foi inteiramente terreno. Tudo relativo a ele – todos os seus interesses, sua visão toda, todas as suas energias – aponta para baixo e é da terra, é terreno. Paulo fala disso, como você observa na passagem em 1 Coríntios 15: “O primeiro homem, da terra, é terreno […] Assim como trouxemos a imagem do terreno […]” (vv. 47-49). Gosto do modo como isso é colocado. O Espírito Santo sabe o que está fazendo quando usa palavras. Ele poderia facilmente ter usado “terrestre” aqui, mas usou “terreno”. Você pode pensar que há muito pouca diferença. Se você diz “terrestre”, isso significa que você pertence a certo reino e sua associação é com esse reino. Mas se diz “terreno”, isso significa que você é da própria natureza desse reino, e essa é uma grande diferença. Você pode estar no mundo no que diz respeito a seu ser físico, mas não é de todo necessário para você ser um com o mundo em sua natureza e disposição. O Senhor Jesus disse: “Eles estão no mundo, mas não são do mundo” (Jo 17.14), e “terreno” significa que não somos apenas ligados à terra, mas que participamos de algo que é chamado de “terra”, de uma natureza, e nosso curso é este – um curso terreno – e não há céu aberto para nós.

Em Cristo, o que herdamos Dele cresce e se torna cada vez mais evidente.

Mas, então, há o curso de Cristo, e você sabe que, sempre em conexão com Cristo, está a palavra “celestial”. “Vós sois de baixo, Eu sou de cima” (Jo 8.23). “Eu desci do céu” (6.38). O homem celestial, o último Adão, é o Senhor do céu, e o curso em Cristo significa que nosso curso é celestial, nossos interesses são celestiais, nossos recursos são celestiais, nosso objetivo é celestial, nossas obras são celestiais. Nossa vida é celestial em natureza, substância e força. “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está […] A vossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Cl 3.1,3). O curso de Cristo é celestial.

Não se esqueça que o único objetivo do grande inimigo, Satanás, é criar uma ligação entre os filhos de Deus e aquilo que é terreno. Ele tem tentado e conseguido com a Igreja quase como um todo ao longo de séculos, tornando-a algo terreno, algo aqui de baixo, pertencente à terra, enquanto ela, em seus primórdios, era inteiramente e só celestial – muito simples. Seus locais de reunião eram muito simples, não considerados pelo mundo; todas as suas formas e seus caminhos eram muito simples, na verdade. Não havia nada aqui nesta terra e no mundo para ganhar o favor dela, sua reputação ou seu reconhecimento, mas sua vida era celestial. A única coisa que ela tinha aqui embaixo era um testemunho, e era um testemunho de um Cristo celestial e reinante. Satanás triunfou tremendamente ao fazer da Igreja algo terreno, e ele está sempre tentando fazer isso com você e comigo, a fim de obter uma ligação entre nós e o que está aqui e roubar-nos de nossa vida essencialmente celestial. Se ele não pode fazê-lo de uma maneira, tentará fazê-lo de outra. Inconscientemente, imperceptivelmente, a coisa opera até que nosso coração seja afastado do Senhor celestial e tenha um interesse no que está aqui.

Dois destinos
Então, finalmente, temos dois destinos. Em Adão: juízo de condenação. Este é o destino para a raça de Adão, para a vida de Adão: condenação, julgamento, morte, morte eterna. O outro destino, em Cristo, é um destino glorioso, a vida eterna, honra e glória eternas.

Estou falando muito brevemente sobre essas coisas, mas esse é o grande divisor de águas em todos os aspectos.

O caminho para fora de Adão e para dentro de Cristo
Agora, como sair de um e entrar no outro? Como sair de Adão e entrar em Cristo? Como sair do velho nascimento para o novo nascimento? Como sair da hereditariedade do velho homem para a do novo homem? Como afastar-se desse velho curso terreno e ir para o novo curso celestial? Como sair do destino de julgamento e morte e ir para o destino de vida e glória? Como? Bem, as Escrituras deixam isso perfeitamente claro. Como sair de Adão? Você nunca poderá lutar para sair de Adão e entrar em Cristo. Você nunca poderá, por qualquer força de vontade, sair de Adão e entrar em Cristo. Se sua vontade é mais forte do que a de Satanás, então, você pode controlá-la, mas todos os que têm tentado descobriram que isso não acontece. Satanás é muito inteligente e muito poderoso, e ele não deixa o que é dele ir facilmente. Como, então?


Caminhando para a sepultura de Adão

Há apenas um caminho. Deus encontrou uma maneira e Deus determinou um caminho. “Como posso sair de Adão?” Bem: morra – isso é tudo. “Se eu morrer…” Bem, isso é o fim de tudo. Para sair de Adão, somente pela morte. E como entrar em Cristo? Pela ressurreição. Por isso, somos apresentados como tendo morrido em Cristo. Como podemos morrer? Não podemos cometer suicídio, não podemos nos matar, não podemos pôr fim a essa relação miserável de vida com Adão por qualquer meio a nosso alcance. Deus providenciou um caminho, e Ele fez Seu Filho nosso representante a morrer uma morte poderosa e inclusiva como nossa morte. Ele morreu como nós aos olhos de Deus, e a morte de Cristo é uma coisa poderosa. Ela é tornada eficaz pelo Espírito Santo. Então, o que temos de fazer é ver, em primeiro lugar, Cristo como nosso representante morrer em nosso lugar como nós. Então, pela fé, aceitara a Ele e a Sua morte como nossos e nos considerar como tendo morrido em Cristo, e, em seguida, pela mesma fé na ressurreição do Senhor Jesus, ver que Ele é ressuscitado por nós e como nós para nossa justificação, e na fé tomá-Lo como o Senhor ressuscitado, como nossa nova vida, para ser em nós a nova vida. Nós morremos Nele, somos ressuscitados Nele, e contamos com o Espírito Santo para tornar isso real.

Então, o Senhor diz3: “Aqui está uma maneira que projetei para que você possa testemunhar a todas as inteligências visíveis e invisíveis sobre a posição que tomou. Eia aqui água, eis aqui um túmulo. Desça a ele e, ao fazê-lo, declare na terra e diante do céu e diante do inferno que, na morte de Cristo, você morreu, e que isso é o fim de Adão e de tudo o que pertence a Adão. Em Cristo, você vive de novo, mas não mais em Adão”. “De agora em diante, Nele” e em tudo o que Ele representa. Essa é a sua maneira de fazer uma declaração, e o Senhor aplica Seu selo sobre esse testemunho. Isso não é o fato, mas provê uma maneira de nosso testemunho dele, e Deus a ordenou.

Tudo isso é muito elementar, mas é muito importante que haja muita clareza sobre as coisas que são claras, e que coloquemos as coisas em seu lugar e vejamos que há reinos e relacionamentos distintamente diferentes separados por Deus, sem qualquer comunhão um com o outro, e estamos em um ou estamos em outro, e nunca podemos estar em ambos ao mesmo tempo. Estamos em Adão ou estamos em Cristo. Se estamos em Adão, não estamos em Cristo. Se estamos em Cristo, não estamos em Adão; Cristo é a nossa vida. Espero que você tenha feito essa distinção e se posicionado no território divino.

(Traduzido por Francisco Nunes de In Adam or In Christ, de T. A. Sparks. A maior parte dos textos de Austin-Sparks é transcrição de suas mensagens orais. Os irmãos que as transcrevem não fazem nenhuma edição ou aprimoramento. Por isso, o texto conserva bastante de sua oralidade, o que, em muitas circunstâncias, não permite uma tradução mais apurada. Se houver qualquer sugestão para aprimoramento deste trabalho, por favor, deixe um comentário. Este artigo pode ser distribuído e usado livremente, desde que não haja alteração no texto, sejam mantidas as informações de autoria, tradução e fonte e seja exclusivamente para uso gratuito.)



--------------------------------------------------------------------------------

1Talvez no Brasil se diga algo como: “É preciso ir onde o povo está.” (N. do T.)

2No sentido de fluir, de corrente, como o curso de um rio. (N. do T.)

3Evidentemente, o autor está fazendo uma paráfrase de várias declarações do Senhor Jesus e do significado delas, não citando uma passagem específica. (N. do T.)

HEAVENLY VISION – PAUL (Romeu Bornelli)

“Therefore, King Agrippa, I was not disobedient to the heavenly vision,” (Acts 26:19) Just this verse. Let’s note this expres...